Ronaldinho pode voltar a cadeia por não pagar pensão


Há cerca de um mês, a justiça brasileira começou uma “caçada” ao ex-jogador Ronaldinho Gaúcho (R10), o que já corresponde a mais de cinco intimações judiciais; entre elas está o pedido de pensão por união estável de seis anos, que a ex-noiva Priscila Coelho solicitou. No último sábado (12), oficiais de justiça estiveram na residência de R10 no Rio De Janeiro, mesmo local onde foi realizado a “resenha do bruxo” – festa realizada por Ronaldo e grupo de amigos- na noite anterior, mas foi alegado que o jogador não estava mais no local.

“Achar que ‘se esconder’ vai livrá-lo de pagar, não vai. Eu e meu advogado buscaremos todos os meios de execução! Mentir para oficial de justiça é crime”, afirmou a Priscila Coelho..

Após o reconhecimento judicial da união estável, o juizado responsável pelo caso definiu uma pensão compensatória de R$ 100mil por mês, atrelado aos seis anos em união estável com Ronaldinho. Em entrevista ao Extra, a mineira contou que morou junto a outra Ex-noiva do jogador, Beatriz Souza.

“Nunca vi nosso acordo como algo de outro mundo. Tive uma relação heterossexual com o Ronaldo. Eu tinha meu quarto com ele, e a Bia o dela com ele. Não dormíamos todos juntos. Tudo o que houve entre nós foi às claras. Ele nos propôs uma vida de casados porque disse que não conseguia viver sem as duas e nós éramos amigas, nos dávamos bem”, relatou em entrevista.

Contudo, segundo Priscila a situação começou a mudar depois de um tempo. Chegou a trabalhar como motorista por aplicativo. Mas fala que o apogeu da separação teria sido uma discussão em que Ronaldinho agrediu e expulsou a ex-noiva de casa. “Ele me jogou com toda a força no gramado da casa do vizinho. Aquilo foi tão surreal, tão imprevisível. Passei a madrugada naquele canteiro, machucada” 

Priscilla entrou com um terceiro processo, para o recebimento daquilo que foi adquirido após a união estável. Caso Ronaldinho Gaúcho não cumpra a solicitação judicial poderá ser solicitado a penhora de ben0s e até a prisão preventiva.





Fonte: iBahia