Suspeitos de assassinar idosos revelam motivação do crime: ‘eram X-9’



Foto: Reprodução/TV Bahia 

Os familiares do casal de idosos que morreu espancado em Barra do Pote, no município de Vera Cruz, na madrugada de terça-feira (29), revelaram que os suspeitos do crime chamaram as vítimas de ‘X-9’ durante a execução do crime. As informações são do g1 Bahia. 

“Eles falaram que estavam matando eles porque eram ‘X9’, mas meu pai não se envolvia em nada, muito menos a minha mãe”, relata uma dos seis filhos do casal. 

A gíria significa “traidor” e normalmente é utilizada quando uma pessoa é considerada informante da polícia. As vítimas foram identificadas como Paulo de Souza Rodrigues, de 65 anos, e Magnólia da Silva, de 55 anos.

De acordo com os familiares, o crime aconteceu por volta de 1h da manhã. Cerca de quatro homens armados foram até a casa e acordaram as vítimas com gritos e xingamentos. 

O senhor de 65 anos foi espancado pelos suspeitos. A outra vítima, Magnólia, conseguiu fugir para a casa da vizinha, que pertence ao filho. A nora dos idosos, grávida, e quatro crianças com idades entre 1 e 5 anos, estavam na residência. 

O filho das vítimas conseguiu sair do local e chamar a polícia. Os suspeitos incendiaram a casa do casal e o corpo de Paulo foi carbonizado. Após atearem fogo na casa do casal, o grupo foi até o local onde Magnólia estava escondida. Ela, o neto de um ano, a nora de 23 anos, grávida de cinco meses, também foram espancados pelos suspeitos. 

“Quando meu irmão chegou com os policiais, minha mãe ainda estava viva. Ela morreu no colo dele, apertando a mão dele”, desabafa.

A senhor chegou a ser socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência 9SAMU), mas não resistiu e morreu. A criança de um ano também recebeu atendimento médico, mas não teve o estado de saúde divulgado. 

A nora do casal levou golpes na cabeça e precisou tomar 30 pontos. Ela, o marido e os filhos foram levados para casa de parentes que vivem fora do município de Vera Cruz.

Segundo uma das filhas da vítima, os pais se mudaram há cerca de um ano e meio para a Ilha de Itaparica. 

“Meu pai queria tranquilidade, queria passar a velhice dele em um lugar mais tranquilo, mais calmo, e achou que a ilha era um bom lugar para fazer isso”, conta.

Os moradores do local atribuem o crime ao tráfico de drogas. Segundo um morador, os traficantes cobram dinheiro aos comerciantes da região.

Leia mais sobre Bahia em iBahia.com e siga o Portal no Google Notícias. 





Fonte: iBahia