Prévia da inflação de abril tem maior variação para o mês desde 1995


A prévia da inflação oficial do Brasil, ficou em 1,73% em abril deste ano. De acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), órgão que mede esse nível, o resultado ficou acima das taxas de março deste ano (0,95%) e de abril de 2021 (0,60%). Essa é a maior variação mensal desde fevereiro de 2003 (2,19%) e a maior para um mês de abril desde 1995 (1,95%).

Com este resultado, a prévia da inflação oficial acumula taxa de 4,31% no ano. Em 12 meses, a taxa acumulada chega a 12,03%, acima dos 10,79% acumulados no IPCA-15 de março. Estes dados foram divulgados hoje (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Aumento da inflação

Neste mês, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que ficou “surpreso” com a aceleração de 1,62% apresentada em março para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA). O manifesto ocorreu via internet e o presidente do BC classificou como “bastante alto” o núcleo da inflação.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA de março foi a maior taxa para um mês de março desde a implantação do Plano Real, em 1994. Entre as justificativas para o resultado da inflação, Neto citou índices relacionados a “processos industriais”.

O presidente do Banco Central informou que estes processos não caíram da forma como era esperado. Por um outro lado, o setor de serviços reagiu “mais ou menos” da forma esperada, referindo-se à inflação represada do setor.

Lembrando que a taxa de inflação acumulada em 12 meses está acima dos 10% desde setembro do ano passado. Entre dezembro de 2003 e agosto de 2021, o IPCA só havia superado a barreira dos 10% por quatro meses, entre novembro de 2015 e fevereiro de 2016.

O economista informou que os núcleos de inflação estão bastante altos, deste modo o setor dos combustíveis e do vestuário tiveram uma alteração fora do esperado. No entanto, ele informou que, apesar da surpresa causada pelos resultados inflacionários, acredita em uma melhora futura da situação, quando a alta da taxa básica de juros refletir com mais intensidade na economia.

Detalhes do IPCA-15

A respeito do IPCA-15, oito dos nove grupos de despesa tiveram alta de preços em abril. O maior impacto foi encontrado no setor dos transportes, no qual registrou inflação de 3,43% na prévia do mês. Os itens que se destacaram no período foram os combustíveis, esse grupo registrou alta de 7,54%, devido ao aumento nos preços da gasolina (7,51%), óleo diesel (13,11%), etanol (6,60%) e gás veicular (2,28%).

Um outro grupo de despesas com alta importante foi alimentação e bebidas (2,25%), com elevação de preços em produtos como tomate (26,17%), leite longa vida (12,21%), cenoura (15,02%), óleo de soja (11,47%), batata-inglesa (9,86%) e pão francês (4,36%).

A inflação teve impacto na alta dos preços em alguns outros grupos, como: habitação (1,73%); vestuário (1,97%); artigos de residência (0,94%); despesas pessoais (0,52%); saúde e cuidados pessoais (0,47%), educação (0,05%). O único grupo com deflação (queda de preços) foi comunicação (-0,05%).

Veja o que é sucesso na Internet:

Fonte: Notícias Concursos