Barcelona: Estes são os números reais da massa salarial do Barcelona


Barcelona ainda estão sobrecarregados com os enormes salários que José Bartomeu‘s bordo pago aos jogadores.

Esses salários fizeram com que os Blaugrana excedessem os regulamentos do Fair Play Financeiro e não conseguissem contratar jogadores em igualdade de condições com outros grandes clubes da Europa.

É uma desvantagem significativa em sua tentativa de formar uma equipe competitiva porque eles estão sujeitos à regra dos 50% de LaLigao que significa que eles só podem gastar metade do valor que economizam em massa salarial em novas contratações.

Porém, ao analisar os números do elenco, fica claro que os salários não são tão altos quanto se percebe, e outros fatores estão impedindo o clube de contratar jogadores normalmente.

A MARCA obteve acesso a esses números e, comparando com o que esta diretoria apurou há dois anos, fica evidente que um esforço tremendo e efetivo tem sido feito para reduzir a massa salarial.

Mateu Alemany foi responsável por trabalhar nisso junto com Jordi Cruyff, Xavi Hernández, Eduard Romeo e John Laporta no aspecto financeiro.

Mateu Alemany e Jordi Cruyff.

Mateu Alemany e Jordi Cruyff.ALBERTO IBEZ

O plantel do Barcelona e os jogadores emprestados

Vejamos, a começar pelo custo do plantel em salários, que ascende a 386 milhões de euros.

A este valor acresce o montante despendido em empréstimos, que ascende a 54 milhões de euros por Samuel Umtiti, Clement Lenglet, Sergino Dest, Nico Gonzalez, Alex Collado e Gustavo Maya.

É verdade que Umtiti acaba de rescindir seu contrato e pode ter renunciado a alguns dos 20 milhões de euros que ganhava, mas o valor exato não foi divulgado.

Considerando os titulares e os cedidos, o valor total é de 440 milhões de euros, o que não é muito alto.

Existem dois fatores que contribuem diretamente para Barcelonaexcesso de Fair Play Financeiro, e eles não têm nada a ver com os jogadores do time principal.

Fundos alocados para outras seções

Um desses fatores são os 91 milhões de euros gastos com os contratos de atletas de outras seções, referentes aos valores projetados para 2023/24.

Em termos de regras de controle econômico, esse dinheiro é tratado da mesma forma que se fosse gasto com jogadores do time principal.

Esses milhões representam um aumento de 20% sobre o orçamento do futebol, o que representa uma desvantagem competitiva significativa, já que poucos clubes têm equipes em outros esportes como Barcelona – nem tantos nem tão poderosos.

Se essa despesa não fosse contabilizada nos cálculos do Fair Play Financeiro, eles poderiam ter conseguido contratar jogadores como Martin Zubimendipor exemplo, ou talvez Lionel Messi.

Relação com a renda

O outro fator é o rendimento do clube. Os salários da temporada 2023/24 representam 68% da receita projetada.

Não é um percentual desproporcional, principalmente se considerarmos que há dois anos, quando assumiu este governo, era de 123%.

Além disso, a receita orçada é de 776 milhões de euros, uma queda significativa em relação à receita de 1 bilhão de euros registrada no passado.

Com tais receitas, o percentual seria de 52%, incluindo outros esportes.





Fonte: Jornal Marca