É por ISSO que você não consegue seu benefício na PERÍCIA DO INSS


Ninguém espera ficar doente, ainda mais quando isso compromete sua capacidade de trabalhar e conseguir seu sustento. Para amparar os trabalhadores em sua enfermidade, a Previdência Social criou os benefícios por incapacidade laboral.

Uma das principais condições para o recebimento destes benefícios é passar pela perícia médica do INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social). É justamente na perícia em que é verificado se o trabalhador está de fato incapacitado ou não para exercer as suas atividades profissionais.

Este é um momento tenso para muitas pessoas que têm uma visão negativa da perícia realizada pelo INSS. Pode ser que você conheça alguém que, mesmo precisando muito, não conseguiu o benefício. Ao mesmo tempo, existem relatos de segurados que recebem um valor mensal da Previdência, mas evidenciam com suas atitudes que teriam condições de trabalhar.

Então, quem está com a perícia marcada pode se perguntar: como faço para deixar claro ao médico perito a realidade da minha condição de saúde? Será que ele vai me entender? E se a perícia médica for negada? Siga a leitura, tire suas dúvidas e fique preparado!

Pode ser que você conheça alguém que, mesmo precisando muito, não conseguiu o benefício do INSS.
Pode ser que você conheça alguém que, mesmo precisando muito, não conseguiu o benefício do INSS. Imagem: Canva

Perícia do INSS: por que muitos têm uma impressão negativa?

Quando o assunto é ser avaliado pelo INSS para atestar a incapacidade para o trabalho, é comum encontrarmos opiniões desfavoráveis, baseadas em experiências pessoais ou relatadas por outros. Veja quais são as principais queixas dos segurados.

Desacordo sobre diagnósticos: 

Nem sempre há consenso entre o diagnóstico do médico pessoal do requerente e a avaliação do médico perito do INSS. Isso pode gerar a sensação de injustiça, principalmente quando o benefício é negado.

Longos períodos de espera: 


Você também pode gostar:

Pode haver atrasos na marcação de perícias médicas e no processamento de pedidos de benefícios. Durante este tempo, o segurado pode estar sem uma fonte de renda, o que pode causar dificuldades financeiras e emocionais.

Falta de humanização no atendimento: 

Inúmeros relatos indicam uma falta de empatia ou humanização por parte dos servidores do INSS. 

Quem precisa passar pela perícia médica do INSS?

Há duas possibilidades em que é necessário realizar a perícia médica do INSS:

  • Quando você faz a solicitação de algum benefício; ou, 
  • Quando você é convocado pelo INSS para prorrogar ou interromper o pagamento do benefício, dependendo da evolução da sua incapacidade.

Estes são os benefícios concedidos pelo INSS através da aprovação na perícia:

Em todos os casos de realização da perícia médica, é essencial saber o que fazer para melhorar as suas chances de um resultado favorável. Por isso, veja agora os erros que você jamais deve cometer!

Erro 1: Confundir doença com incapacidade

É extremamente comum as pessoas pensarem que o fato de estarem com alguma doença, automaticamente dará a elas direito a algum benefício.

Infelizmente, por mais grave que seja a doença, se ela não te deixa incapacitado ao trabalho, você não receberá nenhum benefício.

Muitos tem esta dúvida: “tenho essa doença, posso receber algum benefício?”, quando a  pergunta correta a ser feita é: “essa doença me impede de trabalhar?

Outro ponto importante é que o médico perito avalia a condição atual da pessoa, e não o que futuramente a doença poderá causar em seu estado de saúde.

A única exceção é no caso do BPC-LOAS para o deficiente, em que fatores como a inserção na vida social são avaliados. Como esse benefício pode ser recebido até por pessoas que nunca trabalharam ou por crianças, que não exercem atividades profissionais, o perito avalia se o impedimento causado pela doença é de longo prazo.

Então, neste ponto, o segurado deve se certificar de descrever detalhadamente ao medico perito o que ele faz no trabalho e como a doença o atrapalha.

Erro 2: Não levar os documentos principais

A função do perito é verificar se você tem direito ao benefício, evitando que possa haver possíveis fraudes. Os documentos são as suas provas. Sem eles, não terá como comprovar o seu direito.

São documentos que não podem faltar:

  • Documentos pessoais originais com foto: RG, CTPS, CNH, entre outros. Isso comprova que você não está se passando por outra pessoa;
  • Documentação médica atualizada: Laudos, Receitas médicas, Relatórios dos Tratamentos realizados.

Atestados ou Laudos?

Os dois são importantes, porém, o atestado tem apenas a função de informar quando seu problema começou e por quanto tempo deve ser afastado, enquanto o laudo conta todos os detalhes da sua doença.

Exames atualizados

É fundamental que você tenha exames atualizados e que estejam relacionados a doença que te incapacita. Por exemplo, se seu problema for na coluna, não faz sentido levar exames de vista. Isso pode fazer o perito achar que você está tentando ludibriá-lo.

Erro 3: Não falar o necessário

Não confunda a perícia do INSS com uma consulta habitual com seu médico. Por isso, seja o mais objetivo possível e fale apenas o necessário.

Ao invés de falar somente sobre a sua doença, informe ao perito como ela está impedindo o seu trabalho e o quanto pode ser perigoso você continuar trabalhando na situação que se encontra.

Erro 4: Mentir durante a perícia

Se você estiver realmente com uma doença incapacitante e tem como comprovar isso, não tem motivos para mentir.

Se em algum momento durante a perícia, você tentar simular ou exagerar algum sintoma, o perito poderá desconfiar de tudo o que você falou.

Se, mesmo tomando todos os cuidados, seu pedido foi negado, o que você pode fazer?

Beneficio negado na pericia! O que fazer?

Se um segurado tiver seu benefício negado pela perícia do INSS, existem algumas etapas que ele pode seguir para contestar essa decisão.

Recurso administrativo 

Pedido de reconsideração (PR):

Esse é o primeiro recurso que o segurado tem para questionar uma decisão do INSS. O PR deve ser feito no prazo de 30 dias a partir da data de ciência da decisão. O segurado será reavaliado por um médico perito diferente daquele que realizou a primeira perícia.

Recurso Ordinário:

Se o pedido de reconsideração também for negado, o segurado tem o direito de apresentar um recurso ordinário ao Conselho de Recursos da Previdência Social (CRPS) em até 30 dias após a notificação da decisão. O CRPS é um órgão colegiado que revisa as decisões do INSS.

Ação Judicial

Se todos esses recursos administrativos falharem, o segurado pode ingressar com uma ação na Justiça Federal contra o INSS. Neste caso, é recomendado contratar um advogado ou procurar a Defensoria Pública.

Deixe seu comentário no final da página!

Veja o que é sucesso na Internet:

Fonte: Notícias Concursos