Baixa umidade do ar TRAZ sérios RISCOS para a saúde; saiba como se proteger


A capacidade de defesa reduzida, ou seja, imunidade baixa, representa uma situação que impacta o sistema de proteção do corpo humano. Esse estado se evidencia especialmente quando a capacidade de defesa está enfraquecida e encontra dificuldades em enfrentar qualquer forma de invasão. E a baixa umidade do ar o qual estamos enfrentando, é uma das responsáveis por isso.

Se a capacidade de defesa do corpo estiver em estado ideal, ela operará de maneira eficaz. Dessa forma, resguarda o organismo contra intrusos, incluindo micróbios, agentes virais, organismos fungais ou outros elementos invasores. Mas, quando a nossa resistência imunológica é comprometida, como quando tem a baixa umidade do ar, nosso corpo se torna suscetível.

Assim, o processo de superação das infecções pode demandar um período prolongado. Por esses motivos, indivíduos com a proteção enfraquecida podem apresentar uma maior propensão a enfrentar episódios recorrentes de infecções.

Baixa umidade do ar e sua relação com a imunidade baixa

A baixa umidade do ar pode afetar a imunidade de várias maneiras. Primeiro, o ar seco irrita as vias aéreas, tornando mais fácil para os germes se espalharem. Segundo, o ar seco pode desidratar o corpo, o que dificulta a luta contra os germes. Terceiro, o ar seco diminui a produção de muco, que ajuda a proteger as vias aéreas dos germes.

Ademais, a baixa umidade do ar aumenta o risco de doenças respiratórias, como resfriado, gripe, asma e pneumonia. Também pode aumentar o risco de problemas de pele, como rachaduras nos lábios, pele seca e olhos secos.

Quais os sintomas da imunidade baixa podem ser vistos no dia a dia?

Os principais indícios da redução da eficácia imunológica estão associados à diminuição das capacidades de autodefesa do organismo perante agentes parasitários. Isso resulta, consequentemente, em episódios recorrentes de doenças.

Contudo, na ausência de abordagem terapêutica apropriada, os sinais manifestados são preocupantes. Veja:

  • Sensação constante de exaustão;
  • Episódios frequentes de febre e arrepios;
  • Sintomas de enjoo, episódios de vômito ou ocorrências de diarreia;
  • Condições de saúde simples que evoluem para quadros graves, como gripes prolongadas;
  • Manifestações de inflamação no ouvido;
  • Desenvolvimento de herpes na área genital;
  • Ocorrência de herpes labial, inflamação na cavidade oral e amigdalite;
  • Episódios persistentes e recorrentes de infecções respiratórias;
  • Mudanças no peso corporal, seja perda ou ganho;
  • Potenciais ocorrências de meningite e encefalite;
  • Perda significativa de cabelo;
  • Fragilidade nas unhas;
  • Hábitos de consumo de substâncias tóxicas e álcool;
  • Estresse prolongado;
  • Manifestações de depressão;
  • Carência de vitaminas essenciais;
  • Piora no estado da pele e predisposição a feridas, entre outras manifestações.


Você também pode gostar:

Baixa umidade do ar TRAZ sérios RISCOS para a saúde; saiba como se proteger
Além de dores de cabeça, esse tempo pode causar uma baixa imunidade – Imagem: Adobe Stock

Previsão do tempo ainda não é animadora para a Região Sul e Norte

A porção meridional do Brasil está prestes a experimentar precipitações nas semanas vindouras, segundo as projeções do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O ingresso de uma frente fria no início deste mês ocasionará um acúmulo de precipitação superior a 30 milímetros nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Nesse contexto, o Inmet fornece três diretrizes para os que se encontrarem na zona de influência da tempestade:

  • Evitar buscar abrigo sob árvores;
  • Não estacionar em proximidade de painéis publicitários ou torres de transmissão;
  • Abster-se de utilizar dispositivos eletrônicos conectados à corrente elétrica.

Conforme as informações do Inmet, o estado do Paraná será menos afetado pelas precipitações. Nessa unidade federativa, sobretudo na região norte extrema, antevê-se um quadro de clima seco. A perspectiva de ocorrência de chuva é reduzida em grande parte da semana.

Região Norte

Estima-se um acúmulo de chuva superior a 30 milímetros ao longo da costa oriental da região, com possibilidade de ultrapassar 50 milímetros em zonas do noroeste do Amazonas e Acre. Essa situação advém, sobretudo, do calor e da elevada umidade. Em outras localidades, como Rondônia, Pará e Tocantins, a tendência é de tempo seco.

Região Nordeste

Espera-se acumulados modestos de chuva, os quais não ultrapassarão 30 milímetros ao longo da costa oriental da região — particularmente no sul da Bahia, devido ao deslocamento de umidade oriunda do oceano. Em estados como Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, a condição de tempo seco deverá persistir durante a semana.

Regiões Centro-Oeste e Sudeste

A predominância da massa de ar quente e seco contribuirá para a manutenção de um clima estável, com escassa ocorrência de chuvas em grande parte dos estados. Adicionalmente, é provável que ocorram índices baixos de umidade relativa do ar, com valores inferiores a 20%. Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal, por exemplo, sentirão mais intensamente esses efeitos. No Sudeste, em contrapartida, a incrementada cobertura de nuvens entrará em cena, resultando em acumulados modestos de chuva.

Participe da Comunidade no Whatsapp e fique informado(a) em tempo real gratuitamente.

Siga o Notícias Concursos no Google News e receba novidades sobre Benefícios Sociais, Concursos, Empregos, Dicas e muito mais.





Mais Lidas da Semana



Ainda com dúvidas? Só perguntar abaixo ou deixe seu comentário no final da página!



Fonte: Notícias Concursos