Por que o Banco Central escolheu este nome para a moeda digital?


Nos últimos dias, a moeda digital Drex tem sido um dos assuntos mais comentados no Brasil. Após o anúncio do Banco Central sobre a criação da primeira moeda digital oficial do país, surgiram diversas especulações e dúvidas sobre como ela irá funcionar e qual será o impacto no mercado financeiro.

Neste artigo, vamos explorar todos os detalhes sobre o Drex, desde a escolha do nome até o seu funcionamento e os bancos participantes.

A Escolha do Nome Drex

O nome Drex foi escolhido pelo Banco Central como uma abreviação da expressão “digital real x”. Essa escolha reflete a intenção de criar uma moeda digital que seja uma representação virtual do real, a moeda física brasileira. A ideia por trás do Drex é proporcionar mais facilidade e agilidade nas transações financeiras, além de reduzir os custos das operações bancárias.

O Funcionamento do Drex

O Drex funcionará como uma moeda digital que poderá ser trocada pela moeda física e vice-versa. Ele estará disponível em carteiras virtuais oferecidas pelos bancos e outras instituições financeiras. Essa acessibilidade permitirá que as pessoas realizem transações financeiras de forma mais rápida e segura, sem depender exclusivamente do uso de dinheiro físico.

Uma das vantagens do Drex é que ele não terá variação de preço, pois representa diretamente a moeda física. Isso o diferencia das criptomoedas, que são conhecidas por suas flutuações constantes de valor. O objetivo do Banco Central com o Drex é proporcionar uma experiência digital no mercado financeiro, facilitando o acesso e incentivando a adesão do público a essa nova modalidade.

Bancos Participantes

O lançamento do Drex não seria possível sem a participação dos principais bancos do Brasil. Diversas instituições financeiras já anunciaram que irão oferecer suporte ao Drex em suas plataformas. Entre os bancos participantes estão:

  • Bradesco
  • Nubank
  • Banco Inter, Microsoft e 7Comm
  • Santander, Santander Asset Management, F1RST e Toro CTVM
  • Itaú Unibanco
  • Basa, TecBan, Pinbank, Dinamo, Cresol, Banco Arbi, Ntokens, Clear Sale, Foxbit, CPqD, AWS e Parfin
  • SFCoop: Ailos, Cresol, Sicoob, Sicredi e Unicred
  • XP, Visa
  • Banco BV
  • Banco BTG
  • Banco ABC, Hamsa, LoopiPay
  • Banco B3, B3 e B3 Digitas
  • ABBC: bancos Brasileiro de Crédito, Ribeirão Preto, Original, ABC, BS2 e Seguro; ABBC, BBChain, Microsoft e BIP
  • Banco do Brasil


Você também pode gostar:

Essa grande adesão dos bancos ao Drex é um indicativo do potencial impacto que essa moeda digital terá no mercado financeiro brasileiro.

O Futuro do Drex

Segundo informações divulgadas pelo g1, a liberação do Drex para o público deve ocorrer até o fim de 2024. Até lá, o Banco Central continuará trabalhando no desenvolvimento e implementação da infraestrutura necessária para garantir a segurança e a eficiência das transações com o Drex.

Com o lançamento do Drex, espera-se uma maior digitalização do mercado financeiro brasileiro. Essa moeda digital representa um avanço significativo na forma como as pessoas realizam suas transações financeiras, tornando todo o processo mais prático e moderno.

Ademais, o Drex está se tornando uma realidade no mercado financeiro brasileiro. Com um nome que reflete sua essência, essa moeda digital promete revolucionar a forma como as pessoas lidam com o dinheiro. Com a adesão dos principais bancos do país, o Drex tem tudo para se tornar uma opção de pagamento cada vez mais presente no cotidiano das pessoas.

Aguardamos ansiosamente pelo lançamento oficial do Drex e por todas as possibilidades que essa moeda digital trará para a economia brasileira.

Participe da Comunidade no Whatsapp e fique informado(a) em tempo real gratuitamente.

Siga o Notícias Concursos no Google News e receba novidades sobre Benefícios Sociais, Concursos, Empregos, Dicas e muito mais.





Mais Lidas da Semana



Ainda com dúvidas? Só perguntar abaixo ou deixe seu comentário no final da página!



Fonte: Notícias Concursos