Jogos Olímpicos: ONU pede trégua olímpica para Paris 2024… sem o apoio da Rússia


TA Assembleia Geral da ONU aprovou na terça-feira por maioria esmagadora (118 votos a favor e nenhum contra) o apelo a uma trégua olímpica para os Jogos de Paris 2024.

No entanto, tanto a Rússia como a sua aliada Síria abstiveram-se em protesto contra a recente exclusão da Rússia do Comité Olímpico Internacional (COI).

A trégua olímpica é uma antiga tradição dos Jogos restaurada em Barcelona 1992. Ela busca garantir o cessar-fogo das guerras, permitindo que os atletas e seus familiares participem dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos.

Na Grécia Antiga, começou sete dias antes da abertura dos Jogos e terminou no sétimo dia após o término dos Jogos.

O apelo a uma trégua olímpica costuma ser uma mera formalidade na Assembleia Geral que apela ao silenciamento das armas durante as duas semanas dos Jogos.

No entanto, nunca nas últimas décadas coincidiu com duas guerras de enorme impacto global como as que estamos a assistir na Ucrânia e em Gaza.

A guerra de Gaza, apesar de estar no centro das preocupações das diversas agências da ONU, do Conselho de Segurança e do Secretário-Geral, quase não foi mencionada na terça-feira durante o debate da Assembleia Geral, e apenas o representante do Egipto a mencionou, recordando que se falou de uma trégua olímpica deve ser entendida como uma mensagem para Israel aceitar uma trégua sem condições.

Contudo, o conflito na Ucrânia finalmente penetrou nos debates de terça-feira, quando o representante russo Maria Zabolotskaya tomou a palavra e avisou que o seu país, tendo “sempre” apoiado a trégua olímpica, se absteria este ano em protesto contra “a exclusão ilegal de atletas russos das competições desportivas internacionais”.

Zabolotskaia referia-se à exclusão da Rússia do COI em 5 de outubro e à proibição dos seus atletas de competir sob a bandeira russa em Paris 2024.

Embora haja alguma ambigüidade em torno desta medida, já que o COI deixou a porta aberta para os atletas competirem sob uma bandeira neutra.

Cinco novos esportes adicionados às Olimpíadas de LA 2028

Nesta ocasião, a Rússia só contou com o apoio expresso da Síria no momento da votação, enquanto outros países aliados da Rússia, como a China em tantos outros conflitos, limitaram-se a apelar à despolitização dos Jogos Olímpicos e do desporto em geral. .

Presidente do COI Thomas Bach tomou a palavra perante a Assembleia Geral para responder ao representante russo.

“Nos Jogos Olímpicos não existe Sul Global nem Norte Global, somos todos iguais e devemos ser politicamente neutros e rejeitar qualquer discriminação”, afirmou. Bach declarado.

A Rússia foi avisada para não sediar os ‘Jogos Mundiais da Amizade’ em Moscou

Ele ressaltou, no entanto, que Moscou, ao anexar regiões da Ucrânia, violou a integridade do Comitê Olímpico Nacional Ucraniano.

Bach usou a sua plataforma para alertar contra o plano da Rússia de organizar os Jogos Mundiais da Amizade de 15 a 29 de setembro de 2024, como alternativa aos Jogos Olímpicos de Paris.

Bach disse que tal aposta significa tornar o desporto parte das tensões políticas.

“Isto leva à fragmentação política do desporto internacional e, em última análise, significa que não haverá mais campeonatos mundiais num mundo dividido”, concluiu.





Fonte: Jornal Marca