Se você tiver ESTA MOEDA de 25 CENTAVOS, pode vender agora por quase MIL VEZES seu valor facial. Descubra Agora!


O ato de procurar por moedas raras no Brasil está se tornando cada vez mais comum em todas as regiões. Mas encontrar estas peças pode não ser uma tarefa muito fácil, principalmente quando se sabe que as peças mais valiosas são aquelas que contam com algum defeito raro de fabricação.

Contudo, o fato é que existem algumas moedas raras que podem valer muito dinheiro independente de ter um defeito. Neste artigo, estamos falando de uma peça comum de 25 centavos bastante procurada por diversos colecionadores, e que pode valer um bom dinheiro no final das contas.

De qual moeda estamos falando

A moeda que pode valer muito dinheiro é a peça de 25 centavos do ano de 2000. Trata-se de um exemplar que conta com pouco mais de 20 anos de idade, e que não tem uma tiragem baixa, de acordo com especialistas, mas que mesmo assim pode valer muito dinheiro em condições normais.

  • Novo Padrão Monetário 2º Família Diversos Metais;
  • Plano Monetário: Padrão Real 2º Família (1998-atualmente);
  • Período: República;
  • Casa da Moeda: Rio de Janeiro;
  • Diâmetro: 25mm;
  • Peso: 7.55gr;
  • Metal: Aço Revestido de Bronze;
  • Borda: Serrilhado;
  • Anverso: Manuel Deodoro da Fonseca (1827-1892), ladeada pelas Armas Nacionais e pelo dísticos Brasil;
  • Reverso: À esquerda, linhas diagonais de fundo dão destaque ao valor facial; data.
Se você tiver ESTA MOEDA de 25 CENTAVOS, pode vender agora por quase MIL VEZES seu valor facial. Descubra Agora!Se você tiver ESTA MOEDA de 25 CENTAVOS, pode vender agora por quase MIL VEZES seu valor facial. Descubra Agora!
Este é um exemplo de uma moeda de 25 centavos do ano 2000. Imagem: Reprodução

Quanto vale?

Abaixo, separamos os valores detalhados da moeda de 25 centavos do ano de 2000, tomando como base os catálogos mais atualizados por especialistas na área.

MBC SOBERBA FLOR DE CUNHO
R$ 10,00 R$ 100,00 R$ 230,00


Você também pode gostar:

Entendendo as classificações

Para os iniciantes, as inscrições acima podem parecer complexas. Afinal de contas, o que significa o termo Flor de Cunho, por exemplo. As classificações acima estão relacionadas ao estado de conservação de cada uma destas peças, segundo as informações de colecionadores. 

Para começar, vamos detalhar o que significa uma moeda MBC. Este termo significa “Muito bem conservada”. Para que a peça entre nesta classificação, ela precisa ter, no mínimo, 70% de sua aparência original. Os analistas também dizem que o seu nível de desgaste deve sempre ser homogêneo.

Uma moeda soberba é a aquela que conta com pelo menos 90% dos detalhes originais preservados. Trata-se de uma peça que conta com pouco vestígio de circulação e de manuseio. No universo da numismática, este item é considerado intermediário, mas já se trata de um valor mais alto.

O termo Flor de Cunho vem da inscrição em inglês uncirculated. Trata-se de uma peça que não apresenta mais nenhum tipo de desgaste e nem de manuseio. Absolutamente todos os detalhes da cunhagem estão com a sua aparência original. Também não há nenhum indicativo de limpeza ou de química. Mesmo por isso, moedas flor de cunho são sempre as mais valiosas.

A evolução da história das moedas

Mesmo na época do Brasil Império, já existia uma preocupação com o material usado nas moedas que seriam usadas no comércio. De acordo com um relatório histórico do Banco Central, com o passar dos anos, os imperadores começaram a alterar o material usado na fabricação destas peças.

“Com a generalização do uso de cédulas, a cunhagem de moedas direcionou-se para a produção de valores destinados ao troco. O cobre foi sendo substituído por ligas modernas, mais duráveis, de modo a suportar a circulação do dinheiro de mão em mão. A partir de 1868, foram introduzidas moedas de bronze e, a partir de 1870, moedas de cuproníquel”, diz o Banco Central

“Após a Proclamação da República, em 1889, foi mantido o padrão Réis. As moedas de ouro e prata receberam gravação da alegoria da República no lugar da imagem do imperador. A utilização do ouro, na cunhagem de moedas de circulação, foi interrompida em 1922, devido ao alto custo do metal”, completa o BC.

Participe de nosso Whatsapp e fique informado(a) em tempo real gratuitamente.



Fonte: Notícias Concursos