A comitiva de Taylor Swift ‘abalou’ quando perseguidor é preso novamente


To homem que tentou invadir Taylor Swift apartamento no sábado foi preso novamente na segunda-feira, depois de parecer não se intimidar com sua prisão há apenas dois dias. O suposto perseguidor, que permanece não identificado, foi levado pelo Polícia de Nova York depois que a equipe de segurança de Swift solicitou um novo pedido de prisão.

A celebração de Taylor Swift prova que ela é uma fã obstinada dos Chiefs além de Travis Kelce

O homem de meia-idade não cooperou com as autoridades e teve que ser abordado, segundo disse um vizinho ao Page Six. Para tornar as coisas mais preocupantes, acredita-se que ele estivesse à espreita perto dela Cidade de Nova York casa por pelo menos um mês.

As acusações sobre o suposto perseguidor de Taylor Swift ainda estão pendentes

De acordo com Departamento de Polícia de Nova York, as acusações pela prisão inicial de sábado ainda estão pendentes. Embora a escalada do comportamento provavelmente traga mais urgência ao processo. Os vizinhos expressaram que o mesmo homem, que exibia “comportamento muito errático”, foi visto espreitando no apartamento de Swift poucas horas após seu processo de reserva no sábado.

Moradores da região contaram à publicação que inúmeras ligações foram feitas para denunciar o homem, que apareceu para de Swift prédio de apartamentos às 15h00 horário do leste dos EUA, e foi preso três horas depois. No passado recente, porém, inúmeras ligações foram ignoradas e nenhuma ação foi tomada até que o homem apareceu na porta dela e tentou arrombar.

Quando confrontado por transeuntes, no passado o homem teria dito que queria “ver Taylor” e até foi visto segurando flores.

O suspeito foi formalmente preso no sábado devido a um mandado de prisão emitido para sua prisão: uma falha em responder a uma intimação em 2015. Independentemente do que acontecer no futuro próximo, a equipe de segurança de Taylor Swift está monitorando a situação e será rápida em relatar o homem às autoridades novamente no futuro, se necessário.





Fonte: Jornal Marca