Alexandre Pantoja revela que ‘quase desmaiou’ durante defesa de título do UFC 296


Alexandre Pantoja defendeu o título peso mosca do UFC com vitória por decisão unânime sobre Brandon Royval no UFC 296, mas a atuação veio com um susto.

Olhando de fora, parecia que Pantoja perdeu um pouco de gás nas rodadas do campeonato, mas ainda assim conseguiu ameaçar seu adversário com um mata-leão no quarto frame. Pantoja, porém, revelou no MMA Fighting’s Trocação Franca podcast que ele quase desmaiou durante a tentativa de envio.

“Quase desmaiei ao tentar apagá-lo”, disse Pantoja. “Voltando da terceira para a quarta rodada, [coach Marcos] ‘Parrumpinha’ veio até mim e disse: ‘Perdemos aquela rodada’. Eu fico tipo, ‘O quê? De jeito nenhum perdemos, mestre’. O ‘Parrumpinha’ é o melhor técnico do mundo hoje, na minha opinião, e disse isso para me dar um senso de urgência porque estamos enfrentando um americano nos Estados Unidos e ele sabe que tudo conta. Ele me dá esse senso de urgência, precisamos que a próxima rodada se solidifique.”

Pantoja disse que se levantou do banco antes do final do intervalo de um minuto, focado em dar o seu melhor na próxima rodada, e foi aí que as coisas pioraram para ele.

“Comecei com tudo e quando peguei nas costas dele comecei a passar mal”, disse Pantoja. “Eu sabia que ia sair, cara. Isso nunca aconteceu na minha vida antes. Ainda estou processando o que aconteceu. Mas comecei a ver o mundo girando, irmão, como se eu estivesse bêbado, você deita na cama e tudo começa a girar. Eu fico tipo, ‘Droga, vou sair aqui.’ Estou de costas para ele e de jeito nenhum poderia permitir que ele saísse de lá porque estaria em sérios apuros.”

Pantoja conseguiu trabalhar uma manivela no pescoço apesar do susto e tentou estrangular Royval, que mostrou uma coragem incrível para escapar da finalização usada por Pantoja para finalizá-lo na primeira vez que se enfrentaram dentro do octógono em 2021.

“É como se um filme passasse na sua cabeça: ‘Chegou a hora, vou pegá-lo’”, disse Pantoja. “Eu uso toda a energia que tenho, cara. Foi no. Não foi embaixo do queixo, foi mais uma manivela no pescoço, mas ainda dói. Tiramos o chapéu para Brandon Royval, ele estava disposto a ir além na luta. Ele escapou [the choke], ainda estou com ele de costas por um tempo, mas ele não para um minuto e inverte a posição e termina por cima. Eu não tinha energia para me levantar, então dei a posição a ele e fiquei embaixo. Eu uso uma chave de perna para ameaçá-lo um pouco e parar seus ataques.”

Pantoja voltou ao banco antes da quinta rodada e informou os treinadores do American Top Team “Parrumpinha” e Luciano “Macarrão” sobre a situação.

“Tenho muito cuidado com o que digo no banco porque todos estão ouvindo”, disse Pantoja. “Fiquei um pouco chateado porque não foi ao ar na transmissão. Eu disse aos meus treinadores – tenho que dar feedback, eles têm que saber o que está acontecendo comigo – que estou tonto, estou muito tonto. É engraçado porque meu técnico de trocação, o Macarrão, disse: ‘Levanta, Pantoja, levanta’, e me abraçou, e começou a pular comigo no octógono. Eu gostaria de ter essa filmagem. Eu fico tipo, ‘Me solta, ‘Macarrão’! O que você está fazendo? Ele verá que não estou bem. [Laughs.] Foi uma situação engraçada.”

O peso mosca brasileiro disse que demorou um pouco para se recuperar no quinto round, mas estava saudável o suficiente para continuar por mais cinco minutos e vencer na decisão. Pantoja disse que revisou a luta quatro vezes, marcando 50 a 45 a seu favor, e agora espera defender o título em solo brasileiro em 2024, provavelmente contra o vencedor de Brandon Moreno x Amir Albazi.



Fonte: mma fighting