Como Aaliyah Kikumoto lutou para se tornar viral mais uma vez no Masters de 2024


Aaliyah Kikumotoa mulher que se tornou viral no 2023 Mestrado em Augustavoltou ao cenário de seu maior triunfo, mas lutou para recriar a mesma magia de Scottie Scheffler venceu o evento por quatro arremessos.

Então ela, é claro, voltou ao evento desta vez vestindo uma roupa semelhante, mas faltando uma coisa notável – a novidade. Provavelmente porque ela agora é uma pessoa conhecida, com um acordo NIL, oferta de modelo e muita atenção nas redes sociais.

No ano passado ela foi flagrada assistindo a ação entre Jon Rahm e Brooks Koepka se desenrolou no buraco 16 e imediatamente os fãs avistaram a jovem de 20 anos e começaram a falar dela na internet.

Ela então assinou um contrato com a BSX Media como mentora e empresa de gestão de modelos, e agora tem 42.000 seguidores no Instagram, incluindo um acordo de patrocínio com a Prime Energy, fundada por KSI e Logan Paul.

Ela quase perdeu o evento todos juntos

Carinhosamente apelidada de ‘Masters Girl’, Kikumoto quase perdeu totalmente o evento quando seu voo de Lubbock para Augusta (na Geórgia) foi atrasado pela American Airlines, segundo seu pai.

Mas, felizmente, ela conseguiu chegar a tempo de vestir uma roupa de golfe feminina branca e justa, tênis Nike brancos e uma lacuna verde do The Masters enquanto posava com um taco de golfe para entreter seus fãs online.

“Como você pode imaginar, não há voos diretos de Lubbock para Augusta”, disse Charles Kikumoto ao OutKick. “Então, nossa filha teve que voar de Lubbock para Dallas, de Charlotte para Augusta e deveria pousar pouco antes da meia-noite de sexta-feira – também na American Airlines.

“O voo dela em Dallas atrasou devido a problemas (não relacionados ao clima), então ela perdeu o voo para Augusta. Ela recebeu uma mensagem informando que foi remarcada de Charlotte para Augusta no domingo, em vez de estar lá como reservado originalmente na noite de sexta-feira.

“Então é sábado de manhã e Masters Girl está aqui nas terras de Augusta e com algumas horas de sono não podemos reclamar.”





Fonte: Jornal Marca