Israel Adesanya revela os 3 adversários que mais deseja enfrentar antes de se aposentar


Israel Adesanya está no chão em Las Vegas para o UFC 300, exatamente como esperava.

Em vez de ser a atração principal do card histórico de sábado em uma luta contra o campeão dos médios do UFC, Dricus du Plessis, no entanto, ele estará apenas assistindo as lutas das arquibancadas.

“Fiquei com o coração partido, porque pensei que éramos nós”, disse Adesanya na sexta-feira A hora do MMA.

“Estou feliz [my manager] Tim [Simpson] me ligou antes de anunciarem, acho que três minutos antes de anunciarem Jamahal [Hill] contra Alex [Pereira]porque se eu tivesse descoberto [the news] no Instagram, eu teria dito – Dana [White] teria recebido ligações. Porque eu estava pronto. Eu estava a treinar. Tudo isso. Eu pensei que estava feito. Eu estava treinando, estava na Suíça, provavelmente treinei cerca de quatro semanas, três semanas. Eu estava ligado.

Adesanya, 34 anos, foi alvo de rumores durante meses de ser o favorito para ser a atração principal do UFC 300 ao lado de du Plessis antes da luta principal do card ser uma luta pelo título dos meio-pesados ​​entre o campeão do UFC Alex Pereira e o ex-campeão Jamahal Hill. O empresário de Adesanya, Tim Simpson, revelou quinta-feira em A hora do MMA que Adesanya ficou “muito chateado” com a notícia.

Du Plessis afirmou recentemente que decidiu não lutar no UFC 300 porque ainda estava lidando com uma lesão no pé decorrente da conquista do título em janeiro sobre Sean Strickland. Du Plessis acrescentou em relação a Adesanya: “Você é convocado quando eu digo que você foi convocado”.

Na sexta-feira, “The Last Stylebender” não pôde deixar de zombar das afirmações do campeão.

“Eles não são construídos como nós. É diferente”, disse Adesanya. “Eu nem estava totalmente curado. Estou tirando uma folga e, quando a oportunidade se apresentou, pensei: ‘Puta merda, isso é história. Isso é monumental. UFC 300, foda-se, vamos lá. Mas, novamente, eles não fazem isso como nós. Eu, Alex Volkanovski, Kamaru Usman – éramos caras, quando éramos campeões, foda-se, apenas lute. Foda-se o cinto. Tenho cintos em casa. Até os fãs, sempre que me veem, ficam tipo, ‘Cara, espero que você recupere esse cinturão.’ Eu fico tipo, ‘P***, eles estão em casa.’ Sou bicampeão dos médios. Em breve serão três. Está em casa. Não é sobre o cinto.

“Estou indo atrás de suas cabeças. No momento, trata-se de lutar enquanto você pode. Mas ele é jovem, fez o que fez, chegou até aqui, foi campeão. Tão bom para ele. Mas sim, é o que é. Você quer segurar esse cinto e ficar confortável, essa é sua prerrogativa. Mas sim, quando estávamos fazendo isso, foda-se o cinturão, era só lutar com os melhores e pronto.”

Com o UFC 300 fora do tabuleiro, du Plessis e Adesanya devem se enfrentar ainda este ano. Ambos os lutadores anunciaram o próximo evento do UFC 305, no dia 17 de agosto, em Perth, como um possível local de pouso para a luta.

Se for esse o caso, marcará a mais longa dispensa da carreira de Adesanya no UFC. O ex-campeão não compete desde a derrota para Sean Strickland em setembro de 2023, mas Adesanya admitiu na sexta-feira que o revés lhe ensinou uma lição valiosa sobre não aproveitar todas as oportunidades com o menor tempo possível. Ele enfatizou repetidamente a qualidade em vez da quantidade na reta final de lutas que lhe restam em sua carreira e mirou em três oponentes em particular que mais lhe interessariam: Du Plessis, Strickland e, o mais surpreendente, Khamzat Chimaev, o último dos quais enfrenta Robert Whittaker. em 22 de junho.

“Se Khamzat vencer Rob, quero testar isso”, disse Adesanya.

“Eu gosto disso [Whittaker fight for Chimaev], porque quero ver o que ele pode fazer. Estou animado. Gosto de lutas assim. Quero ver o que ele consegue fazer no peso médio contra um cara durão. Eu o vi lutar contra Kamaru [Usman], e eu assisti aquela luta, pensei, ‘Ei, Kamaru o pegou.’ Se fossem cinco rounds, poderia ter sido uma luta diferente.

“Gilbert Burns foi quem me fez respeitá-lo, porque mostrou seu coração”, acrescentou Adesanya. “Acho que ele caiu, voltou e venceu aquela luta. Então, sim, estou animado para ver o que pode acontecer nessa luta. E então sim, veremos o que acontece.”

Um nome notavelmente ausente da lista de Adesanya, no entanto, é o do homem que roubou a vaga no evento principal do UFC 300. Adesanya e Pereira compartilham muita história, tendo competido quatro vezes entre si no kickboxing e no MMA. Pereira venceu as três primeiras lutas, culminando em um impressionante nocaute no quinto round sobre Adesanya em 2022 para conquistar o título dos médios do UFC. Mas Adesanya riu por último, marcando o Nocaute do Ano de 2023 com uma dramática vitória por vingança no segundo round para recuperar o cinturão no UFC 287.

Pereira convocou Adesanya para uma luta de MMA após conquistar o cinturão dos meio-pesados ​​em novembro, mas “The Last Stylebender” simplesmente não se interessa.

“Eu sei que só me restam algumas lutas”, disse Adesanya. “OK, se eu vencer Alex em seguida – eu lutar com ele, nocauteá-lo de novo – o que eles vão dizer? ‘OK, não, agora é 3-2. OK, vamos fazer o melhor de sete. Tipo, por quem estou lutando? Não se tratava de lutar por mais ninguém por mim. Sempre lutei com esse cara e sabia que poderia vencê-lo. Sempre soube que poderia vencer esse cara. Então eu pensei, ‘Eu só quero provar a mim mesmo que posso vencê-lo’, e vencê-lo da melhor maneira possível, no maior palco. E a história por trás disso, sobre mostrar o que alguém pode realizar quando se dedica a alguma coisa, mesmo depois de ter sido derrubado três vezes, isso foi o principal.

“Até para ele, sabe por que estão pedindo briga? Porque eles precisam disso. Você sabe por que eu não peço a luta? Porque eu não preciso disso. E no fundo de seus corações, todos os Poatards por aí, em seus corações, eles sabem — eles sabem quem está rindo melhor, e é por isso que estou sentado bonito e me divertindo. Então, novamente, eu fiz o que fiz, a saga acabou. É legal. Tenho outra briga para vingar mais tarde.”



Fonte: mma fighting