Jorge Masvidal explica frustração ao lidar com a ‘diva’ Nate Diaz para uma luta de boxe


Jorge Masvidal tem alguns problemas com Nate Diaz.

Em 1º de junho, Masvidal e Diaz se enfrentam em uma luta de boxe de 10 rounds no Kia Forum em Los Angeles. A luta já era comentada há algum tempo, mas só aconteceu oficialmente em março e, segundo Masvidal, muito disso se deveu à dificuldade de negociação com Diaz.

“A certa altura, como Vegas estava lotada, muitos lugares estavam lotados, Nova York era uma forte possibilidade e ele disse: ‘Não vou lutar se for em Nova York. Eu não vou lutar. Eu estava tipo, que porra é essa?” Masvidal disse segunda-feira em A hora do MMA. “Qual é o problema? Isso é boxe. Isso foi no MMA [where] você levou uma surra. Mas eu entendo. Tudo bem.

“Aí outro momento de diva, ele disse que também não lutaria se a luta fosse em Miami. ‘Não vou lutar se for em Miami.’ OK legal. ‘Bem, da última vez tive uma experiência ruim com minha luta de boxe no Texas, então não vou lutar no Texas.’ Que merda?! Para reservar um local dessa magnitude, não é como se isso pudesse acontecer em uma semana ou em um fim de semana. Acontece com meses de antecedência. … Então, todos esses problemas e tipo, cara, só estou tentando lutar, porra. O que você está tentando fazer? Poderia ter sido em abril, em um lugar diferente, mas esse cara não estava tentando fazer isso, então parecia muito diva.”

No entanto, esses não são os únicos problemas que Masvidal tem com Diaz.

Os dois lutaram originalmente pela luta inaugural pelo título “BMF” no UFC 244 em 2019, e Masvidal venceu por paralisação médica no final do terceiro round. Mas apesar da vitória, Masvidal diz que Diaz está exigindo tratamento de lado A da promoção.

“Depois, outras coisas que continuam aparecendo na imprensa, todas do lado do contrato”, explicou Masvidal. “Tipo, é ‘Nate Diaz-Masvidal’. Bem, eu quase matei você, então isso significa que devo ter esses pequenos privilégios. É suposto dizer Masvidal [first]. Mas em vez de tentar negociar, ele diz: ‘Não vou brigar se não for assim’. Então o promotor está me respondendo, dizendo: ‘Não há como mexer nisso. Ele simplesmente não vai lutar. Ele diz que vai seguir em frente e lutar contra outra pessoa. Mano, você quer lutar? Eu tenho vários outros [examples of] motivos para não lutar. Então isso só me faz questionar, talvez ele não queira esse calor, mano.

“Queria o nome dele primeiro, a paralisação em segundo, na pesagem ele tem que pesar por último”, continuou Masvidal. “Irmão, você não venceu a última luta. Do que diabos você está falando? Muito de mim estava tipo, ‘Eff isso.’ Como havia uma grande chance de a luta ser em Miami, eu estava torcendo muito por Miami – obviamente me saí muito bem lá no UFC – e Nate disse: ‘Não vou lutar em Miami. Não vou lutar em Miami.’ E eu tenho que sair primeiro? Esse cara é um idiota? Como você sairia pela última vez na minha cidade? Não vou sair primeiro na minha cidade contra você. Eu já limpei você. Então, essas coisas estão me fazendo questionar seus malditos motivos. Você quer se desfazer ou o quê, mano?

No final das contas, Masvidal disse que concordou com os termos de Diaz porque “quer dar uma surra” e as exigências de Diaz são bem menores. Porém, há uma coisa que realmente incomodou Masvidal: a data.

Diaz x Masvidal acontece no mesmo dia do UFC 302, encabeçado pela luta pelo título dos leves entre Islam Makhachev e Dustin Poirier. Masvidal acredita que contraprogramar o UFC com um evento pay-per-view não é a melhor ideia, e dado o que ele e Diaz pretendem fazer como parte da promoção, este é o ponto que mais irritou Masvidal.

“Mesmo com esta data, poderíamos ter adiado uma semana, uma vez que o UFC anunciou que iria no dia 1º de junho”, disse Masvidal. “E eu estava disposto a ir ao Memorial [Day] fim de semana, no fim de semana anterior, mas ele disse, ‘Não, eu já anunciei no meu Instagram que vamos brigar neste dia. Eu não dou a mínima para o UFC, vamos enfrentar eles cara a cara. Isso simplesmente não é um bom negócio. Eu sou um maldito promotor, ele afirma ser um promotor – isso simplesmente não é um bom negócio. Não há absolutamente nada naquele fim de semana, poderíamos assumir esse fim de semana.

“Estou tentando vender pay-per-views. Eu finalmente criei algo legal para mim, onde estou obtendo uma boa quantidade do estilo pay-per-view de boxe. Tenho uma ótima garantia, mas o back-end pode ser bem maior que a garantia, então por que não ir quando não há absolutamente nada? Mas esse cara fica tipo, ‘Não sou funcionário do UFC, não dou a mínima para o UFC, vamos enfrentar eles cara a cara.’ Isso é estúpido para mim. Isto é um mau negócio. Então, por todos esses motivos, estou um pouco mais animado, porque agora você está fodendo com meus bolsos em cima disso. Não quero ir contra o UFC.”

Masvidal promete que energia extra vai aparecer no ringue. Porque embora Diaz possa ter sido recatado em sua primeira coletiva de imprensa na sexta-feira, ele não terá essa opção em junho.

“Senti que ele não queria estar lá”, disse Masvidal. “E eu entendi, talvez ele tivesse maconha para fumar e pratos veganos para comer ou algo assim. Mas a energia dele, a maneira como eu estava lendo, era como se ele não quisesse estar ali.

“Ele sabe de uma coisa: esteja eu em forma ou não, venho lutar. Se você puxar essa merda com a qual você puxou [Jake Paul], você aparece assim na nossa luta, você sabe o que vai acontecer – e vai acontecer bem rápido, porque eu vou te pressionar na hora. Não vou deixar você escorregar por 10 rodadas saindo do sofá desse jeito. Não é o mesmo Nate Diaz que estamos acostumados no UFC. Não acho que ele tenha levado Jake a sério. Então, espero que ele esteja se preparando e se preparando para a guerra, porque ele sabe que é assim que eu ajo, é assim que eu me desfaço. Estou tentando matar você.



Fonte: mma fighting