Justin Gaethje descarta luta pelo título em junho após o UFC 300: ‘Normalmente não planejo estar vivo no dia seguinte às minhas lutas’


Justin Gaethje entende que cada vez que lutar no octógono do UFC, ele será um homem mudado depois.

É por isso que o atual campeão do “BMF” duvida muito que será capaz de enfrentar Max Holloway no UFC 300 e depois competir já em junho por uma potencial disputa pelo título dos leves. Há semanas circulam rumores de que o rei dos leves Islam Makhachev pode retornar no início do verão, mas Gaethje efetivamente se excluiu da disputa, não importa como sua luta se desenrole na noite de sábado.

“Eu não jogo e se”, disse Gaethje durante o media day do UFC 300. “Mas você não perde uma oportunidade de campeonato. Eu quero meu tempo. Acho que junho provavelmente seria impossível para mim, pois cada vez que luto é uma experiência de vida traumática.

“Preciso ir para casa, relaxar, cuidar do meu corpo, cuidar da minha cabeça, mas tenho treinadores e um manager que acabam por tomar essas decisões. Então, se eles disserem vá, eu vou.”

Muitos dos oponentes anteriores de Gaethje compararam lutar contra ele à experiência de passar por um acidente de carro. Mesmo se você vencê-lo, você não sairá ileso.

Ele segue o mesmo padrão, por isso tenta não pensar além da próxima luta, muito menos no que pode acontecer em junho.

“Eu sou o tipo de cara que percorre quatrocentos metros de cada vez”, disse Gaethje. “Não olho muito para frente. Sinceramente, não tenho ideia do que o futuro reserva. Normalmente não planejo estar vivo no dia seguinte às minhas lutas. Então, espero estar lá no domingo.”

Gaethje definitivamente tem uma luta pela frente ao enfrentar Holloway, que nunca foi derrubado ou finalizado por golpes em sua carreira. Mesmo em uma luta de cinco rounds com Dustin Poirier em 2019, Holloway duelou com o nocauteador por 25 minutos e nunca desistiu de qualquer troca.

Claro, Gaethje espera testar o queixo de Holloway no UFC 300 e reconhece o quanto significaria derrubar o havaiano.

“Isso significaria muito”, disse Gaethje. “Tenho 25 lutas, 19 nocautes. Eu realmente tenho orgulho disso desde o início da minha carreira. Para ser o primeiro, gosto de ser o primeiro. Estou pronto.”

Ainda há algumas incógnitas nessa luta, principalmente depois que Holloway dedicou muito mais tempo se preparando para lutar no peso leve em comparação ao encontro anterior com Poirier, cinco anos atrás.

Holloway adicionou tamanho e músculos ao seu corpo, mas disse que nada sacrificaria sua velocidade, que sem dúvida se tornará uma arma importante contra Gaethje.

Não importa o que seja jogado contra ele, Gaethje está pronto para testar as águas.

“Adoro entrar lá e descobrir”, disse ele. “Sei logo se ele está socando forte o suficiente para eu arriscar ou ser mais cauteloso. Vou descobrir isso mais cedo.

“Acho que é muito diferente da época em que ele lutou com Poirier, pois foi uma substituição tardia. Acho que ele teve todo esse acampamento, conseguindo manter e manter aquele peso. Eu realmente acho que ele será tão grande quanto eu e tão forte quanto eu.”

Se tudo correr bem na luta de Gaethje no sábado, ele sabe que uma disputa pelo título acabará acontecendo para ele. Mas ele não está se perdendo nesses detalhes ainda. Nada disso importa se ele não passar por Holloway, então essa deve continuar sendo sua única prioridade.

“Sei que com uma vitória aqui luto pelo cinturão”, disse Gaethje. “Eu sei que com uma perda aqui tudo vai embora. É por isso que estou lutando.

“Haverá dois contendores saindo desta noite de luta. Este pay-per-view. O vencedor de [Arman] Tsarukyan-[Charles] Oliveira, haverá um candidato, e o vencedor de Holloway e eu seremos um candidato. Acredito que Makhachev vai lutar pelo menos duas vezes este ano, então acho que nós dois vamos lutar com ele.”



Fonte: mma fighting