Onde eles estão agora? Principais atores no julgamento de assassinato de OJ Simpson


TEm 12 de junho de 1994, os assassinatos de Nicole Brown Simpson e seu amigo Ronald Goldman trouxeram o que é chamado de “Julgamento do Século”, que culminou com OJ Simpsona absolvição dos assassinatos. O anúncio na quinta-feira de que Simpson está morto trouxe atenção renovada ao julgamento observado de perto e ao fascinante elenco de personagens que desempenharam um papel no caso.

Aqui está uma olhada em onde eles estão agora.

O último vídeo público de OJ Simpson antes de sua morte no Super Bowl envelheceu muito mal

O RÉU

Dois anos após a absolvição de Simpson em 1995, um júri de um tribunal civil considerou-o responsável pelas mortes de sua ex-mulher e de Goldman e ordenou que ele pagasse US$ 33,5 milhões aos sobreviventes. Ele se envolveu em uma série de pequenos problemas legais, desde um incidente de violência na estrada na Flórida em 2001 até uma corrida de barco por uma zona protegida de peixes-boi na Flórida em 2002; Ele foi absolvido pelo primeiro e multado pelo segundo.

Sua transgressão mais grave ocorreu em 2007, porém, quando ele e cinco outras pessoas invadiram um quarto de hotel em Las Vegas com armas e confiscaram propriedades de negociantes de memorabilia que Simpson afirmava possuir. Ele cumpriu nove anos em uma prisão em Nevada e recebeu liberdade condicional em 2017. Nos últimos anos, Simpson viveu tranquilamente em Las Vegas, onde jogava golfe e às vezes posava para selfies com aqueles que ainda amavam sua celebridade.

Ele morreu quarta-feira de câncer de próstata.

AS FAMÍLIAS DAS VÍTIMAS

A irmã de Ron Goldman, Kim, tinha 22 anos e começou a soluçar quando o veredicto de inocente foi lido. Desde então, ela aconselhou adolescentes problemáticos como diretora executiva de uma organização sem fins lucrativos com sede no sul da Califórnia, The Youth Project, até fechar durante a pandemia. Autor de best-sellers e orador, Goldman também lançou vários podcasts, incluindo “Confronting: OJ Simpson” e, mais recentemente, “Media Circus”.

Fred Goldman, o pai de Ron, tem perseguido Simpson incansavelmente nos tribunais civis, afirmando que é a única maneira de conseguir justiça para seu filho. A família de Goldman apreendeu algumas das recordações de Simpson, incluindo seu Troféu Heisman de 1968 como o melhor jogador de futebol universitário daquele ano. A família também assumiu os direitos dos filmes de Simpson, um livro que ele escreveu sobre os assassinatos e outros itens para satisfazer parte da sentença de US$ 33,5 milhões que Simpson se recusou a pagar.

Denise Brown, irmã de Nicole Brown Simpson, continua sendo a crítica mais aberta de Simpson pela família, embora, como a família Goldman, ela se recuse a falar o nome dele. O primeiro modelo tornou-se um defensor dos direitos das vítimas e um orador, instando tanto as mulheres como os homens a abandonarem relações abusivas. Ela disse que superou sua raiva de Deus pelos assassinatos, mas nunca perdoou Simpson e não assistirá a nenhum filme ou documentário sobre os assassinatos.

A EQUIPE DOS SONHOS JURÍDICOS

Johnnie L. Cochran, Jr., SimpsonO principal advogado de Simpson, morreu de câncer no cérebro em 2005, aos 68 anos. Seu refrão aos jurados – “Se não couber, você deve absolver” – procurou enfatizar que as luvas ensanguentadas encontradas na casa de Simpson e na cena do crime eram muito pequenas para a lenda do futebol quando ele os experimentou no tribunal. Após o julgamento, essa frase se tornou um bordão nacional. Após o julgamento, Cochran expandiu seu escritório de advocacia para 15 estados e apareceu frequentemente na televisão. Ele também se tornou a inspiração para Jackie Chiles, o bombástico personagem advogado do seriado de TV “Seinfeld”.

Outra peça importante da equipe de defesa, Robert Kardashian, morreu de câncer de esôfago em 2003, aos 59 anos. Amigo de longa data de Simpson, ele renovou sua licença jurídica especificamente para representá-lo no julgamento. Entre o momento dos assassinatos e sua prisão, Simpson ficou na casa de Kardashian. Quando Simpson fugiu das autoridades em um Ford Bronco branco em 17 de junho de 1994, Kardashian leu aos repórteres uma mensagem desconexa que Simpson havia deixado para trás enquanto uma histórica perseguição na rodovia se desenrolava na televisão nacional. Desde sua morte, a fama de Kardashian foi eclipsada pela da ex-mulher Kris e dos filhos Kourtney, Kim, Khloé e Robgraças ao seu reality show, “Keeping Up With the Kardashians.”

Robert Shapiro, o primeiro membro da equipe de defesa de Simpson, continua a exercer a advocacia. Em 2005, ele criou uma fundação que concede bolsas de estudo universitárias a jovens de 11 a 18 anos que permaneçam sóbrios depois que seu filho de 24 anos morreu de overdose.

Barry Scheck foi o advogado que apresentou a ciência do DNA aos jurados e minou as evidências forenses da promotoria ao atacar os métodos de coleta. Ele e seu colega advogado de defesa Peter Neufeld co-fundaram o The Innocence Project em 1992. Ele usa evidências de DNA para inocentar pessoas que foram condenadas injustamente.

F.Lee Bailey foi o advogado que desempenhou um papel fundamental na exposição de declarações racistas feitas por uma das principais testemunhas da acusação, a polícia Detetive Mark Fuhrman, o que minou sua credibilidade. Quando se juntou à equipe de defesa, Bailey já era famoso por seu papel em alguns dos casos de maior repercussão do século 20, incluindo o da herdeira que virou assaltante de banco. Patrícia Hearst. Bailey foi expulso em Massachusetts e na Flórida no início dos anos 2000 por má conduta no tratamento do caso de um cliente. Ele morreu em 2021.

Alan Dershowitz, professor emérito de direito de Harvard, também ajudou Simpson a obter a absolvição e consultou sobre os aspectos científicos do caso. Desde então, ele gerou polêmica ao ajudar o falecido gestor de fundos de hedge e agressor sexual Jeffrey Epstein ganhar uma sentença branda por abusar de meninas menores de idade. Ele também fez parte Presidente Donald Trumpequipe de defesa do impeachment que terminou com sua absolvição.

OS PROCURADORES

Márcia Clark, a principal promotora do julgamento, abandonou a advocacia após o julgamento, embora tenha aparecido com frequência ao longo dos anos como comentarista de TV em julgamentos de alto nível. Ela recebeu US$ 4 milhões por seu livro de memórias de 2016, “Without a Doubt”, e escreveu uma série de romances policiais.

Chris Darden, o co-promotor, foi criticado por fazer Simpson experimentar as luvas ensanguentadas no tribunal sem primeiro garantir que caberiam. Ele agora é advogado de defesa. Ele representou o homem acusado de matar o magnata do hip-hop Nipsey Hussle antes de se retirar do caso, dizendo que sua família havia recebido ameaças de morte. Darden também ensinou direito, apareceu na televisão como comentarista jurídico e escreveu sobre o julgamento de Simpson no livro de 1996, “In Contempt”. Atualmente, ele está concorrendo a juiz do Tribunal Superior do Condado de Los Angeles.

O JUIZ

Lance Ito aposentou-se em 2015 depois de presidir aproximadamente 500 julgamentos. O julgamento de Simpson fez dele um nome tão conhecido que “Tele Tonight Show“apresentou brevemente um segmento de comédia chamado” Tele dançando Itos“em que sósias atuaram em vestes judiciais. Após o julgamento de Simpson, ele teve que remover sua placa de identificação da porta do tribunal porque as pessoas continuavam roubando-a. Ito nunca discutiu o julgamento publicamente, citando a ética judicial.

O HÓSPEDE

Brian “Kato” Kaelin, um ator em dificuldades que mora em uma casa de hóspedes na propriedade de Simpson, testemunhou que ouviu um “colisão” durante a noite dos assassinatos e saiu para encontrar Simpson no quintal. Os promotores disseram mais tarde que o depoimento de Kaelin mostrou que Simpson estava voltando para casa após os assassinatos. Zombado em talk shows como o convidado mais famoso da América, Kaelin passou a aparecer em reality shows, bem como em pequenos papéis em seriados de TV e filmes, e a lançar uma linha de roupas relaxantes.





Fonte: Jornal Marca