Brad Keselowski encerra seca de 3 anos com vitória em Darlington


DARLINGTON, SC – Houve tantas partes especiais na primeira vitória de Brad Keselowski na NASCAR em três anos que foi difícil para ele dizer o que mais significou.

Foi o 36º de sua carreira e o segundo no Darlington Raceway, que ele reverencia como um teste final para pilotos. Aconteceu na frente de sua jovem família com as filhas Scarlett, que completará 9 anos no final deste mês, e Autumn, de 4 anos, juntando-se a ele no pódio.

E foi o primeiro desde que deixou a organização Penske para se tornar coproprietário da Roush Fenway Keselowski Racing em 2022.

“Há muitas coisas para ficar animado, não sei qual delas significa mais”, disse Keselowski com um sorriso.

Ele passou para a frente quando os líderes Chris Buescher e Tyler Reddick lutaram pela primeira posição a nove voltas do fim, e ele se manteve firme para vencer o Goodyear 400 no Darlington Raceway no domingo.

“Foi um grande esforço de todos”, disse Keselowski após cruzar a linha de chegada.

Parecia que Buescher, funcionário de Keselowski na RFK, conseguiria a vitória depois de ultrapassar seu chefe e Reddick a 29 voltas do fim. Mas Buescher e Reddick atacaram e recuaram, abrindo a porta para a vitória satisfatória de Keselowski.

“Que dia horrível”, disse ele. “Aquela batalha com meu companheiro de equipe e Tyler Reddick, nós simplesmente colocamos tudo em risco.”

Keselowski reconheceu o risco que correu quando deixou a Penske. Os fãs o pegaram quando Austin Cindric venceu o Daytona 500 de 2022, dizendo que poderia ter sido ele, e quando os pilotos da Penske Joey Logano e Ryan Blaney conquistaram os dois últimos títulos da NASCAR Cup Series.

Mas Keselowski não poderia estar mais feliz com sua escolha e com a direção que RFK está tomando.

“Acho que vocês sabem, vou fazer as coisas do meu jeito”, disse ele.

Ty Gibbs ficou em segundo, Josh Berry em terceiro e Denny Hamlin em quarto. Chase Briscoe foi o quinto, seguido por William Byron, Bubba Wallace, Justin Haley e Michael McDowell.

Foi mais um quase erro para Buescher, que perdeu por 0,001 segundos para Kyle Larson no Kansas, na finalização mais disputada da história da NASCAR.

Buescher caiu para 30º e Reddick 32º.

Buescher confrontou Reddick quando ambos saíram dos carros. Reddick assumiu total culpa pelo incidente.

“Foram duas semanas consecutivas que tivemos a chance de vencer corridas”, disse Buescher. “Primeiro, vou reviver na minha cabeça para sempre o que eu teria feito diferente [at Kansas]. O outro, preciso que alguém seja mais maduro sobre isso.”

Larson estava entre os 10 primeiros quando rodou faltando 40 voltas para o fim e não conseguiu retornar.

Um deslize também acabou com as chances de dois campeões da NASCAR. Ryan Blaney, Martin Truex Jr. e Byron estavam com três de largura na volta 128, quando Byron acertou Truex, que empurrou Blaney e o mandou contra a parede na curva 2.

A equipe de Blaney, atual campeão da Cup Series, não conseguiu reparar os danos e seu dia acabou. Ele cavalgou ao lado de Byron para sinalizar seu descontentamento com a atitude de Byron.

“Ele usou um pouco mais a pista do que eu pensava, então tenho todo o direito de ficar bravo e ele sair impune”, disse Blaney, que terminou em último, em 36º lugar.

Truex, campeão da série 2017, caiu do top 10 e terminou em 25º.

A Associated Press contribuiu para esta história.



Fonte: Espn