Fanatics abre processo contra Cardinals WR Marvin Harrison Jr.


TEMPE, Arizona – Fanatics entrou com uma ação contra o novato do Arizona Cardinals, Marvin Harrison Jr., na noite de sábado na Suprema Corte de Nova York por violar um contrato que o wide receiver assinou com o varejista em maio de 2023.

No processo, Fanatics disse que Harrison se recusou a cumprir suas obrigações com o acordo, ao mesmo tempo que “afirmou publicamente” que o contrato não existe.

Os detalhes do que o contrato de Harrison com a Fanatics exigia da escolha número 4 no draft da NFL foram redigidos, assim como os detalhes do acordo financeiro entre os dois. No entanto, uma fonte disse à ESPN no início deste mês que o acordo era de pelo menos US$ 1 milhão e que o contrato era para autógrafos, cartões colecionáveis ​​assinados, roupas usadas em jogos e outras oportunidades de marketing.

O processo também aponta “The Official Harrison Collection LLC” como réu. Harrison está vendendo memorabilia assinada através do site da The Official Harrison Collection. Os itens incluem fotos que variam de US$ 99,99 a US$ 149, uma camisa por US$ 299,99 e um capacete por até US$ 549,99. O site, que diz “Memorabilia dos Cardinals em breve”, afirma que é “o ÚNICO site a comprar memorabilia assinada por Harrison”.

No processo, a Fanatics afirma que Harrison disse ao varejista que um “concorrente maior” havia feito uma oferta a ele, enquanto outras empresas de cartões comerciais também fizeram ofertas “concorrentes”. O processo afirma que Harrison “exigiu” que os Fanáticos atendessem ou excedessem as outras supostas ofertas. No entanto, o processo também afirma que Harrison se recusou a fornecer aos Fanáticos as ofertas concorrentes.

A Fanatics afirma no processo que Harrison “já começou a negociar acordos concorrentes com outras empresas de cartões colecionáveis ​​​​ou esportivos”.

De acordo com o processo, o relacionamento entre Fanatics e Harrison começou em 2023, quando Harrison, então na Ohio State, era um dos “vários estudantes atletas de primeira linha, incluindo muitos candidatos à NFL”, com quem Fanatics assinou um acordo de licenciamento plurianual. Em março de 2023, Fanatics assinou com Harrison um acordo limitado de promoção e licença que não era exclusivo e terminou em abril de 2024, antes do draft da NFL do mês passado.

No processo, a Fanatics afirma que depois de reconhecer o “futuro potencialmente brilhante de Harrison e as limitações do contrato de promoção e licença”, abordou Harrison novamente sobre um acordo “mais substantivo” de longo prazo. Os dois lados começaram a conversar sobre um novo acordo em abril de 2023, e as negociações foram “fortemente negociadas”, segundo o processo. Harrison, que não tem agente, foi representado por seu pai, o wide receiver do Hall of Fame, Marvin Harrison Sr. Os dois lados concordaram com um termo de compromisso vinculativo em 16 de maio de 2023, e ele foi finalizado dois dias depois.

Os termos do acordo foram ocultados na ação; no entanto, o processo afirma que o pagamento a Marvin Harrison Jr. foi “significativo”.

A Fanatics disse no processo que pagou Harrison em agosto e outubro de 2023, mas afirma que Harrison “se recusou a cumprir suas obrigações”, apesar de “vários pedidos” da Fanatics nos últimos meses. O processo afirma que Harrison “rejeitou ou ignorou todos os pedidos”.

Fanatics também afirma no processo que Harrison divulgou informações confidenciais sobre seu contrato com a ESPN.

O processo afirma que em 23 de abril de 2024, Marvin Harrison Sr. pediu aos Fanáticos uma cópia do termo de compromisso vinculativo para seu filho. Depois que o Harrison mais velho o recebeu, o processo disse que ele disse à empresa que os Harrisons não têm acordo com a Fanatics.

Fanatics, que espera que o processo obrigue Marvin Harrison Jr. a cumprir suas obrigações, de acordo com o processo, solicitou um julgamento com júri e estimou os danos em “milhões de dólares”.

Harrison também ainda não assinou o acordo de licenciamento de grupo da NFL Players Association, que permitiria ao sindicato comercializar seu nome, imagem e imagem para 85 empresas.



Fonte: Espn