Previsões do UFC St.


Mesmo Derrick Lewis não sabe ao certo por que está em outro evento principal.

Na quarta-feira da semana passada, “The Black Beast” disse aos repórteres que preferia não ser a manchete, apenas pelo fato de não querer lutar por cinco rounds se puder evitá-lo. Além disso, Lewis é veterano nisso, já tendo participado de 10 lutas principais do UFC, uma raridade para um não-campeão.

Dado o seu histórico, não é provável que Lewis precise dos 25 minutos completos quando enfrentar Rodrigo Nascimento no UFC St. Louis, no sábado. Lewis busca aumentar seu recorde de nocautes no UFC (14) e interromper a invencibilidade de quatro lutas de Nascimento.

Para Nascimento, Lewis representa o maior nome do seu currículo até hoje. Depois de vencer Don’Tale Mayes pela segunda vez em uma das revanches mais desnecessárias da história do MMA, Nascimento agora quer provar que é um legítimo candidato ao título, e isso fica mais forte se ele superar Lewis.

Na co-luta principal, Joaquin Buckley, do St. Louis, realiza o desejo de lutar em sua cidade natal, mas pode se arrepender de não ter um nome para citar após a recente vitória sobre Vicente Luque. Buckley derrotou um oponente classificado pela primeira vez, o que deveria ter lhe rendido outro nome com um número ao lado; em vez disso, ele enfrenta o perigoso Nursulton Ruziboev, que está 2 a 0 no UFC e tem quase 50 lutas profissionais em seu currículo.

Também no card principal, o veterano meio-pesado Alonzo Menifield busca quebrar a sequência de cinco vitórias consecutivas de Carlos Ulberg, Diego Ferreira volta para lutar por 19 a 1 no peso leve Mateusz Rebecki, o veterano peso-pena Alex Cáceres enfrenta Sean Woodson e Waldo Cortes-Acosta luta no peso pesado máquina de nocaute Robelis Despaigne.

O que: UFC São Luís

Onde: Centro Empresarial em St.

Quando: Sábado, 11 de maio. O card preliminar de seis lutas começa às 16h ET na ESPN e ESPN+, seguido por um card principal de seis lutas às 19h ET na ESPN e ESPN+.

Chances: Apostas esportivas DraftKings


(Os números entre parênteses indicam estar em Rankings Globais do MMA Fighting)

Derrick Lewis vs. Rodrigo Nascimento

Sinto-me confiante em afirmar que a maioria de vocês não sabe que Rodrigo Nascimento está empatado com a mais longa sequência de vitórias na categoria peso pesado do UFC, com três pontos.

Sinto-me ainda mais confiante ao afirmar que você não consegue adivinhar com quem o Nascimento está vinculado? Vá em frente. Sem pressa. Estarei bem aqui.

São Alexander Volkov, Karl Williams e Mick Parkin. Obviamente.

Todo esse preâmbulo é para dizer que Nascimento pode se tornar o mais quente peso pesado do UFC com vitória sobre Derrick Lewis, e considerando o estado modesto da categoria, isso deve significar alguma coisa. No mínimo, Nascimento deve conseguir um candidato marginal ao top 10 com um desempenho impressionante no sábado.

Devemos enfatizar “impressionante”, porque se Nascimento dançar ao redor de Lewis por cinco rounds e conseguir uma vitória por decisão, isso pode realmente prejudicar seu estoque, assim como aconteceu com Jailton Almeida após seu sufocamento monótono de 25 minutos sobre Lewis.

De qualquer forma, nada disso importa, já que Nascimento não tem perspicácia técnica para superar Lewis. Ele precisa buscar a finalização, algo que tem sido adverso em suas lutas recentes, e algo que Lewis vem fazendo há uma década. Só não gosto das chances de Nascimento evitar um soco poderoso e, uma vez acertado, isso é tudo o que é necessário para o mestre do golpe e do golpe.

Lewis por nocaute.

Escolha: Luís

Joaquin Buckley (13) x Nursulton Ruziboev

Joaquin Buckley, esta é a sua chance de roubar a cena.

Eu previ corretamente na semana passada que Michel Pereira seria o herói do UFC 301 se ele estilizasse Ihor Potieria no Brasil, o que ele fez e foi (OK, Alexandre Pantoja e José Aldo também foram ótimos). Então, mais uma vez estou escolhendo um lutador para impressionar a torcida local, neste caso Buckley derrubando Nursulton Ruziboev.

Os casamenteiros do UFC não fizeram nenhum favor a Buckley além de deixá-lo lutar em sua cidade natal, St. Louis, e ele tem mais a perder do que ganhar. Buckley vem de uma vitória sobre Vicente Luque, seu adversário mais bem classificado até agora. No entanto, em vez de subir na hierarquia, ele tem que lidar com Ruziboev, que pode ocupar o lugar entre os 15 primeiros que Buckley trabalhou tanto para conquistar.

Ruziboev é um grande peso meio-médio em uma sequência ridícula de 10 lutas no primeiro round, então isso tem todas as características de um jogo de armadilha para Buckley, dado o relativo anonimato de Ruziboev. Se os fãs ainda não sabem quem é Ruziboev, eles entrarão no movimento rapidamente se ele conseguir acabar com Buckley em cinco minutos.

A velocidade mata e Buckley tem vantagem nesse departamento. Contra-intuitivamente, acho que sua estrutura menor permitirá que ele ataque Ruziboev de ângulos imprevisíveis, e depois de um primeiro round de idas e vindas, Buckley adiciona Ruziboev ao seu rolo de destaque de forma espetacular.

Escolha: Buckley

Alonzo Menifield x Carlos Ulberg

Alonzo Menifield surpreendeu muitos ao derrotar Dustin Jacoby e acho que ele pode fazer o mesmo com Carlos Ulberg. Por mais que Ulberg continue a melhorar, ele também se beneficiou de enfrentar a concorrência de nível intermediário no momento certo, o que não será o caso quando ele entrar na jaula com Menifield.

Vimos um Menifield maduro e totalmente formado da última vez, o que faz sentido, já que ele completará 37 anos ainda este ano. Na categoria meio-pesado, a idade não é um grande obstáculo, então Menifield será capaz de vencer em três rounds, se necessário.

Este é um verdadeiro choque de estilos de trocação, com o saltitante Menifield enfrentando o mais tradicional Ulberg. Menifield definitivamente não pode ficar muito fofo, para que sua cabeça não caia direto no alcance de Ulberg. Ao mesmo tempo, Ulberg não pode ser muito paciente, porque se Menifield encontrar seu ritmo, ele poderá encerrar este em um piscar de olhos.

Espere um confronto convincente de filosofias ofensivas que termina com Menifield marcando uma reviravolta por meio de golpes.

Escolha: Menifield

Diego Ferreira vs. Mateusz Rebeca

Lembra do que eu disse sobre 37 não ser um problema no meio-pesado? Bom, ter 39 anos no peso leve é ​​definitivamente um problema, que Diego Ferreira terá que contornar se pretende continuar relevante na divisão mais difícil do MMA.

Mateusz Rebecki é um confronto de pesadelo para Ferreira. Um verdadeiro buldogue repleto de poder polaco, Rebecki não deverá ter problemas em abrir caminho através das defesas de Ferreira. Chegará um momento em que Rebecki não poderá simplesmente Hulk Smash abrir caminho para a vitória, mas isso não será hoje.

Além disso, não é como se o sucesso de Rebecki fosse puramente um produto de pura resistência e agressividade. Ele também tem muita técnica e, mesmo que Ferreira o atraia para uma batalha terrestre, Rebeki consegue mais do que se defender.

Tenho Rebecki intimidando Ferreira no início do caminho para o nocaute no primeiro ou segundo round.

Escolha: Rebecki

Alex Cáceres x Sean Woodson

Já contei com Alex Cáceres no passado, quando ele se deparou com um lutador faminto que queria ocupar seu lugar. Não vou cometer esse erro desta vez.

A experiência e versatilidade de Cáceres são ativos importantes ao lidar com Sean Woodson, um peso-pena longo e esguio que gosta de se manter solto. Suas provocações idiotas tiraram muitos lutadores do jogo, mas eu ficaria surpreso se elas tivessem algum efeito em “Bruce Leeroy”.

Sábado marca a 30ª luta de Cáceres no UFC e ele comemorará em grande estilo ao superar Woodson por três rounds. Woodson gosta de lutar no seu próprio ritmo, que Cáceres não permite. Ele vai misturar trocação e luta agarrada para manter Woodson na dúvida e fazer apenas o suficiente para obter uma vitória por decisão.

Escolha: Cáceres

Waldo Cortes-Acosta vs. Robelis Despaigne

Vamos ser claros aqui, Waldo Cortes-Acosta é um grande, grande, grande avanço na competição em relação a tudo que Robelis Despaigne já viu dentro da jaula. É perfeitamente possível que o divertido “Salsa Boy” seja uma ponte longe demais para Despaigne neste ponto de sua carreira, e que o medalhista de bronze olímpico do taekwondo esteja prestes a ter um rude despertar.

Mas qual é a graça de fazer essa previsão?

Queremos ver Despaigne continuar a esmagar os tolos e é com isso que vou. Despaigne tem 1,80 metro e um alcance ridículo de 87 polegadas. Se quiser acertar Cortes-Acosta, ele vai, e provou que foi abençoado com um “toque mortal” que faria corar Alex Pereira.

Aqui estão os tempos das últimas quatro finalizações de Despaigne: 18 segundos, 4 segundos, 3 segundos e 12 segundos.

Você leu certo, 4 segundos e 3 segundos.

Não é como se os adversários de Despaigne estivessem simplesmente correndo em sua direção e sendo pegos. É ele quem ataca e depois se aproveita do erro de seu infeliz inimigo. Existem poucos pesos pesados ​​que conseguem atacar com seu nível de precisão e impacto.

Cortes-Acosta certamente não é um deles, então espere que Despaigne continue em alta e marque outro nocaute em menos de dois minutos.

Escolha: Despaigne

Preliminares

Viacheslav Borshchev derrotou. Chase Hooper

Terrance McKinney derrotou. Esteban Ribovics

Tabatha Ricci (13) derrotou. Tecia Pennington

Trey Waters derrotou. Billy Goff

Charles Johnson derrotou. Jake Hadley

Verônica Hardy derrotou. JJ Aldrich



Fonte: mma fighting