O técnico da Bélgica, Tedesco, se irrita com o rótulo de ‘Geração de Ouro’


Depois de mais de 25 minutos de perguntas ao capitão belga Kevin De Bruyne e ao técnico Domenico Tedesco no domingo, as temidas palavras “Geração de Ouro” ainda não haviam sido ouvidas.

E então aconteceu – com a última pergunta, para Tedesco, na véspera do jogo de estreia da sua equipa no Campeonato Europeu, contra a Eslováquia.

“É uma pergunta típica alemã sobre a Geração de Ouro”, brincou Tedesco, que nasceu na Itália, embora seja cidadão alemão. “Eu estava esperando por isso.”

Um dia, os treinadores e jogadores belgas não serão puxados de volta para a safra dourada de candidatos que pareciam certos de um dia ganhar um título internacional, e possivelmente deveriam ter ganhado na Euro 2016.

Tem sido um rótulo e uma pedra de moinho para a Bélgica desde os Jogos Olímpicos de Pequim em 2008, onde uma equipa emergente incluía Vincent Kompany, Marouane Fellaini e Jan Vertonghen.

De Bruyne e Eden Hazard estavam amadurecendo no time que chegou às quartas de final da Copa do Mundo de 2014. Os Red Devils foram surpreendidos na mesma fase do Euro 2016 pelo País de Gales, apesar das estrelas extra estabelecidas Thibaut Courtois no gol e Romelu Lukaku no ataque.

Marc Wilmots deixou o cargo de treinador e foi substituído por Roberto Martinez, que agora está na Euro 2024 com Portugal.

Houve eliminações como time melhor classificado do mundo por eventuais campeões: nas semifinais da Copa do Mundo de 2018 contra a França, e nas quartas de final da Euro 2020 para a Itália.

Depois, outra surpresa, não conseguindo avançar da fase de grupos da Copa do Mundo de 2022, no Catar, embora porque os eventuais semifinalistas Croácia e Marrocos o fizeram.

“O Catar acabou agora. Foi uma decepção, sim, mas foi há 18 meses”, disse De Bruyne no domingo, antes da terceira tentativa do craque de conquistar um título europeu. “É um novo torneio, um novo treinador. A equipa mudou bastante.”

Desde a Copa do Mundo, veteranos como Hazard, Dries Mertens e Toby Alderweireld se aposentaram da seleção nacional. Courtois desentendeu-se com Tedesco e não está na Alemanha.

De Bruyne ainda está aqui com Vertonghen (37), Lukaku (31) e Axel Witsel (35). Outra estrela do Manchester City, o extremo Jérémy Doku, já está no seu terceiro grande torneio aos 22 anos e muito se espera de Johan Bakayoko, de 21 anos, no flanco direito.

A Bélgica ainda está em terceiro lugar na FIFA.

“Eu não diria que nosso time está em terceiro lugar no mundo neste momento, mas em um torneio isso nem importa”, disse De Bruyne, cujo aniversário de 33 anos acontece entre as oitavas de final e as quartas de final.

“Há muitos jogadores jovens na equipa e eles estão muito motivados”, disse De Bruyne, cuja equipa é fortemente favorita no Grupo E, que também inclui Ucrânia e Roménia.

Tedesco, de 38 anos, que lidera pela primeira vez a Bélgica num torneio, reconheceu que houve uma reformulação do plantel.

“Há uma qualidade enorme entre os jovens, que já estão preparados para esta fase”, disse Tedesco.

Informações da Associated Press foram usadas nesta história.



Fonte: Espn