Vinícius Jr. pode fazer pelo Brasil o que faz pelo Real Madrid?


Como você faz um caso sólido para ganhar a Bola de Ouro? Experimente estes três passos fáceis: ganhe o seu campeonato nacional, ganhe a Liga dos Campeões e leve o seu país à vitória num grande torneio.

Para Vinícius Júnior, são dois dos três até agora neste ano. O atacante de 23 anos foi fundamental para a dobradinha do Real Madrid na LaLiga e na Liga dos Campeões em 2023-24. Ele foi o jogador de destaque na disputa pelo título da liga do Real Madrid e depois marcou na vitória sobre o Borussia Dortmund na final da Liga dos Campeões, em 1º de junho.

Agora ele tem a chance de brilhar com o Brasil na Copa América, começando na estreia do Grupo D contra a Costa Rica, em Los Angeles, na segunda-feira. Mas, ao contrário do seu clube, Vinícius ainda não se tornou totalmente “homem principal” no seu país.

Na Copa América de 2021 – primeiro torneio internacional sênior de Vinícius – ele foi utilizado exclusivamente como reserva, fazendo quatro partidas fora do banco. Na Copa do Mundo de 2022, a seleção brasileira girou em torno de Neymar, com Vinícius se encaixando na esquerda na decepcionante campanha até as quartas de final.

Desde o fracasso da Copa do Mundo, o Brasil tem lutado para encontrar qualquer ritmo, com três treinadores supervisionando uma série de resultados pouco convincentes. Neymar perde a Copa América devido a uma lesão de longa data no ligamento cruzado anterior, o que significa um buraco em forma de estrela no centro do ataque brasileiro.

Vinícius está pronto para dar um passo à frente e ocupar esse papel.


Assim como o Brasil está em processo de busca de uma nova identidade com novas estrelas, o Real Madrid enfrentou um dilema semelhante antes de 2023-24: como compensar a ausência do atacante Karim Benzema, que partiu para a Saudi Pro League, sem poder contar com Kylian Mbappé, cuja chegada teve de esperar até este verão.

Parte da resposta do técnico Carlo Ancelotti foi transferir Jude Bellingham para uma função mais avançada, mas o resto – especialmente na segunda metade da temporada – dependia de trazer os alas Vinicius Júnior e Rodrygo do Real Madrid e do Brasil para formar um campo pouco ortodoxo, frente fluida dois.

O resultado foi a temporada mais goleadora de Vinícius pelo Real Madrid. Marcou 24 gols em todas as competições: 15 na Liga, seis na Liga dos Campeões e três na Supercopa Espanhola. São quatro gols a mais do que ele marcou na temporada anterior, 2022-23, apesar de ter estado ausente durante grande parte de setembro, novembro e dezembro devido a lesão.

Esses 15 gols da LaLiga em 2023-24 vieram de 1.872 minutos jogados. Em 2022-23, Vinícius marcou 10 gols na LaLiga em 2.831 minutos. Isso significa marcar um gol, em média, a cada 124,8 minutos em 2023-24, em comparação com cada 283,1 minutos do ano anterior.

Surpreendentemente, o número de chutes que Vinícius deu em cada temporada foi semelhante: 77 em 2022-23 e 78 em 2023-24. A diferença estava na qualidade dessas oportunidades – impactadas pelas posições que ocupava em campo – e na finalização. Sua taxa de conversão de chutes em 2023-24 foi de 19,2%, acima dos 13% da temporada anterior.

Uma olhada nos mapas de calor de arremessos de Vinícius na LaLiga nessas duas temporadas demonstra sua mudança de função. Ele ainda está assumindo algumas das mesmas posições de antes, como seria de esperar de um atacante que sempre favorecerá o lado esquerdo, mas também está frequentemente caindo em posições centrais mais perigosas.

Uma consequência imediata foi a queda na criatividade de Vinícius, já que ele procura aproveitar as oportunidades, em vez de aproveitá-las. Vinícius fez quase metade dos passes no terço final (386) na LaLiga em 2023-24 do que em 2022-23 (730), embora com quase 1.000 minutos a menos jogados. Criou metade das chances (31 a 63) e registrou menos assistências (5 a 9).

Um dos gols de maior destaque de Vinícius nesta temporada destacou seu novo conjunto de habilidades. No jogo de ida da semifinal da Liga dos Campeões do Real Madrid, fora de casa contra o Bayern de Munique, no dia 30 de abril, Toni Kroos – outro candidato à Bola de Ouro – pegou a bola, logo no meio-campo do Bayern. Vinícius não saiu pela lateral, abraçando a linha lateral esquerda, como poderia ter acontecido nas temporadas anteriores. Em vez disso, ele esperou centralmente, recuando para tirar o zagueiro do Bayern, Kim Min-Jae, fora de posição, antes de girar e correr para o espaço deixado atrás do zagueiro, finalizando o goleiro Manuel Neuer com seu primeiro toque.

Nenhum dos factores que se combinaram para o golo – o posicionamento central de Vinícius, o seu movimento de raciocínio rápido (embora uma jogada relativamente simples, típica do avançado-centro) e a sua finalização sem esforço – foram marcas do seu jogo no passado. Jogar na frente, ao lado de outro atacante versátil e inteligente, Rodrygo, obrigou-o a se adaptar e melhorar.

A melhor sequência de gols de Vinícius nesta temporada veio com os cinco gols da LaLiga que marcou em duas semanas em março, contra Valência, Celta de Vigo e Osasuna. Os três primeiros foram gols de curta distância, marcados de primeira, com um toque, dentro da pequena área. As outras duas foram finalizações clínicas, um a um com o goleiro. Esses eram os objetivos de um centroavante.

jogar

1:33

Quem são os azarões da Copa América 2024?

Sebastian Salazar e Herculez Gomez fazem suas escolhas para os azarões da Copa América 2024.

A questão agora é se Vinícius terá a oportunidade de mostrar seu novo jogo completo com o Brasil. A boa notícia para ele é que não há Neymar para ser o centro das atenções nesta Copa América e insistir em ter o ataque construído ao seu redor. Também não há Richarlison, outra seleção frequente de centroavante do Brasil nos últimos anos.

Em vez disso, a competição por vagas no ataque vem do colega de clube Rodrygo, da sensação adolescente endrick, que tem apenas 17 anos, além de Gabriel Martinelli, do Arsenal, Savinho, do Girona, e Evanilson, do Porto. Todos são talentosos, mas nenhum deles deverá ofuscar Vinícius, pelo menos neste momento.

Mesmo a sequência desastrosa de resultados do Brasil nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2026 – com apenas duas vitórias em seis jogos até o momento – e a consequente chegada de um novo técnico, Dorival Júnior, apresentam a Vinícius uma oportunidade. Esta é uma equipe que precisa de um novo rumo, sem um líder óbvio no ataque.

Fontes disseram à ESPN que a comissão técnica do Brasil ficou encorajada e impressionada com o desenvolvimento de Vinícius no Real Madrid no último ano. Eles agora veem a possibilidade de escolhê-lo como atacante, com Rodrygo saindo pela lateral.

Os quatro amistosos do Brasil em 2024 encontraram Dorival Júnior em busca da forma ofensiva preferida de sua equipe. Na vitória por 1 a 0 sobre a Inglaterra, em Wembley, no dia 23 de março, Vinícius começou na esquerda dos três atacantes com Rodrygo e Raphinha, antes de Endrick vencer o jogo saindo do banco. No empate 3-3 com a Espanha, no Santiago Bernabéu, em Madrid, três dias depois, ele escolheu o mesmo trio, com Endrick novamente a marcar como suplente.

Este mês, o Brasil começou com um time reserva muito diferente na vitória por 3 a 2 sobre o México, no Texas, com os substitutos Vinícius e Endrick combinando para a vitória nos descontos. E no empate em 1 a 1 com os Estados Unidos, em 12 de junho, um 11 inicial semelhante ao que poderia começar contra a Costa Rica incluía Vinícius como atacante, com Rodrygo jogando contra ele.

Vinícius fez seis chutes contra os EUA – três no início da partida e três no final, o melhor deles nos descontos – mas não conseguiu vencer o goleiro Matt Turner. Ele não marca pelo Brasil desde junho passado, uma seca que estará desesperado para encerrar neste torneio.


Algumas vozes influentes argumentam que a temporada 2023-24 de Vinícius já trouxe o suficiente para ganhar a Bola de Ouro.

Neymar diz que Vinícius merece pelas conquistas do clube. O mesmo acontece com mais duas lendas da seleção brasileira, Ronaldo Nazario e Rivaldo. O técnico do Real Madrid, Carlo Ancelotti, acredita que há motivos para defender se Vinícius cumprir o papel na Copa América. Até mesmo o companheiro de equipe Jude Bellingham – um rival da Bola de Ouro se a Inglaterra se destacar na Euro 2024 – brincou que os dois podem dividir o prêmio, se precisarem.

Mas num 2024 com dois grandes torneios de verão, é difícil imaginar um vencedor da Bola de Ouro sem um momento decisivo a nível internacional.

Se Vinícius quiser dar o próximo passo e ter sua grandeza em campo reconhecida além da LaLiga e do Real Madrid, ele precisa assumir um papel de liderança no Brasil. Há uma vaga para ser preenchida.

Vinícius não jogou bem apenas pelo Real Madrid. Ele se reinventou de um ala esquerdo elétrico, mas às vezes previsível, para um atacante mortal e versátil, na conversa pelo status de melhor do mundo. Se ele completar essa transformação na Copa América, seu caso Bola de Ouro poderá ser impossível de ignorar.

Reportagem de Gustavo Hofman contribuiu para este artigo.



Fonte: Espn