Iga Swiatek, número um do mundo do tênis feminino, surpreendentemente sucumbe à 35ª colocação em Wimbledon


Iga Swiateka atual tenista número 1 feminina, sofreu uma derrota surpreendente na terceira rodada de Wimbledon. Apesar de suas 21 vitórias consecutivas e da recente vitória no Aberto da França, ela não conseguiu superar o desafio imposto por Yulia Putintsevaque está classificada como a número 35 do mundo. A partida terminou com um placar de 6-3, 1-6, 2-6 a favor de Putintseva, marcando outro Wimbledon decepcionante para Swiatek, que nunca avançou além das quartas de final no torneio.

Em seus comentários pós-jogo, Swiatek reconheceu a dificuldade de transição de sua forma dominante no saibro para a superfície de grama Wimbledon. “Passar desse tipo de tênis, onde eu sentia que estava jogando o melhor tênis da minha vida, para outra superfície, onde eu meio que luto um pouco mais, não é fácil.” ela expressou.

Essa luta pode ser atribuída à sua experiência limitada em quadras de grama e à sua decisão de pular torneios de preparação para a grama após sua Aberto da França vitória.

SwiatekA decisão de abrir mão de torneios de preparação na grama foi baseada na priorização do descanso e da recuperação após seu triunfo no Aberto da França. Ela defendeu essa escolha destacando o risco potencial de lesão se tivesse feito a transição imediata para a prática na quadra de grama.

“Você nunca sabe. Eu poderia ter me machucado na segunda partida porque treinei logo depois de Roland Garros naquele caso”, Swiatek explicou. Apesar da saída precoce de Wimbledonela continua confiante no processo de planejamento e tomada de decisões de sua equipe.

Cabeça de chave lamenta transição do saibro para a grama

A sensação do tênis polonês continua otimista sobre seu futuro, enfatizando que seus treinadores são adeptos do planejamento e seleção das opções certas para sua carreira. Olhando para o futuro, Swiatek está focada no resto do ano e continua aberta a adaptar sua abordagem para torneios futuros. “Mas veremos o que vai acontecer no ano que vem”, ela acrescentou, indicando uma disposição de reavaliar suas estratégias para as próximas temporadas.

SwiatekA derrota de Wimbledon serve como uma experiência de aprendizado enquanto ela continua sua busca pelo sucesso em quadras de grama. Com seu talento e determinação, ela continua sendo uma força formidável no tênis feminino, e sua resiliência diante dos desafios prepara o cenário para uma jornada emocionante pela frente.





Fonte: Jornal Marca