Elitânia de Souza mudou o tema do trabalho de conclusão de curso no meio do caminho, mas não conseguiu concluído, pois virou estatística.

Na última quarta-feira, 27, Elitânia de Souza da Hora, de 25 anos, moradora de Cachoeira, na Bahia, foi assassina com um tiro na cabeça e dois no peito pelo ex-namorado José Alexandre Passo Góes Silva, que foi detido na sexta, 29, no município de Feira de Santana, após se entregar à polícia.

Essa não foi a primeira vez que o homem tentou se reaproximar da ex, mesmo tendo uma ordem de restrição. A polícia não disse porque das outras vezes ele não foi preso, sendo que estava descumprindo a determinação judicial. A jovem estava cursando o 7º período de Serviço Social na UFRB (Universidade Federal do Recôncavo Baiano). João Paulo Aguiar de Sousa, professor orientador de Elitânia, contou que a estudante, que estava fazendo um TCC sobre os cancelamento de benefícios do Bolsa Família, pediu para alterar o tema para violência contra a mulher dado o que estava vivendo. “Ela pediu para mudar, porque estava sob medida protetiva. Agora, no finalzinho, disse que não tinha estrutura para pesquisar sobre o tema, porque tinha sido vítima mais uma vez de agressão. Por fim, fechamos com o tema da cultura quilombola no âmbito escolar”, informou o professor, uma das últimas pessoas que a aluna viu antes de ser morta.

Fonte: Capricho