Mas de 930 mil turistas visitaram o Parque das Aves, em Foz do Iguaçu, Paraná, em 2019. A atração, focada na preservação das aves da Mata Atlântica, superou em mais de 100 mil pessoas comparando ao seu recorde anterior, de 2018. O crescimento representa um aumento de 12,8%.

Os planos para 2020 são mais audaciosos. O Parque espera alcançar a marca histórica de mais de um milhão de visitantes, baseado no sucesso que vem alcançando ao longo dos três últimos anos.

Para Jurema Fernandes, diretora administrativa do Parque das Aves, este recorde representa um marco importante para o desenvolvimento do turismo no Brasil. “Em um ano tão complicado na questão ambiental, o recorde histórico de visitação representa a resposta direta do visitante ao nosso atrativo, que tem como missão o cuidado de espécies de aves da Mata Atlântica”, disse.

Ela ressalta que, embora esse crescimento seja bastante significativo, todos os cuidados estão sendo tomados para que as ações realizadas aconteçam de maneira sustentável.

Em 2019, o Parque das Aves teve sua trilha repaginada, com foco nas aves da Mata Atlântica. A instituição também se consolidou como Centro de Conservação Integrada de Espécies da Mata Atlântica.

Segundo a diretora, todos os esforços estão voltados para a preservação, principalmente das 120 espécies e subespécies de aves ameaçadas de extinção da Mata Atlântica, algumas delas muito próximas de desaparecer.

Uma das reformas mais aguardadas para este ano é o novo complexo de dois viveiros de imersão que está sendo construído no Parque. O local vai se chamar “Cecropia” e deve abrigar periquitos e tucanos resgatados de tráfico e maus-tratos.

“O propósito do Parque das Aves é atuar firme no ecoturismo, cumprindo sua função socioambiental, apoiando-se no tripé da conservação do meio ambiente, conscientização ambiental dos visitantes e o envolvimento da comunidade local”, destacou Fernandes.

A expectativa para 2020 é que haja um aumento no número de turistas estrangeiros, especialmente por conta da isenção dos vistos para países como Canadá, Estados Unidos, Austrália e Japão. Além disso, a melhor conectividade com os países andinos, com voos de conexão direta com Foz do Iguaçu, deve incentivar as visitas.

Outro fator que deve impulsionar o turismo na região são os feriados de 2020, que somam quase o dobro dos de 2019. Serão nove datas comemorativas próximos aos finais de semana, que se tornarão feriados prolongados, além da alta temporada de férias de julho e do final do ano.

O Parque das Aves, única instituição do mundo dedicada à conservação das aves da Mata Atlântica, foi aberto para visitação em 1994. Ocupa uma área de 16 hectares de vegetação nativa restaurada onde vivem 1.300 aves de 130 espécies, contando ainda com três viveiros de imersão e um borboletário. O Parque é o segundo maior atrativo de Foz do Iguaçu, depois das Cataratas. Mais de 9,3 milhões de turistas já passaram pelo local nos seus 25 anos de existência.

Comentários