VÍDEO: Grupo de ‘sem-terras’ incendeia carros e coloca seguranças para correr

Imagens foram registradas em Zona Rural no Sul da

Um grupo supostamente ligado ao movimento incendiou, nesta terça-feira (2) , cerca seis veículos de uma empresa terceirizada da Veracel Celulose e deixou ainda três funcionários feridos após os atacarem com foices e facões, na Zona Rural de Belmonte, extremo Sul da Bahia.

Um vídeo gravado pelos próprios seguranças e divulgado nas redes sociais e grupos de WhatsApp mostra os integrantes do movimento quebrando os vidros dos veículos com foices, ateando fogo, xingando os seguranças e dando ainda ordens para que eles saíssem do local. Os seguranças fugiram para não correr risco de algo mais grave.

A equipe de segurança estava desarmada e não reagiu ao ataque. Eles pertencem à empresa GPS e foram atacados na fazenda Sítio Esperança e Mutum, da Veracel e que foi reintegrada no dia 27 de junho. Um dos funcionários levou um corte na cabeça que precisou pegar pontos, mas ele não corre risco de morte.

Sediada em Eunápolis, a Veracel Celulose é um projeto agroindustrial que pertence à brasileira Fibria e a suecofinlandesa Stora Enso (cada uma tem 50% de participação). A empresa planta eucaliptos no extremo sul da Bahia há mais de 20 anos e atingiu em 2018 o maior nível de produção, com 1.148.760 toneladas de celulose.

O ataque está sendo investigado pelo delegado Moisés Damasceno, coordenador da 23ª Coordenadoria de Polícia do Interior. Ele disse que o grupo que atacou os seguranças são de quatro famílias que não aceitaram acordo feito ano passado pela empresa com outras 260 famílias de quatro grupos diferentes.

No acordo, diz o delegado, a empresa negociou com as famílias a venda de 2.099 hectares para ser pago em 20 anos, em parcelas baixas, com carência (início do pagamento da primeira parcela) de três anos. Os valores negociados e a quantidade de lotes para cada família não foi informado.

Oito pessoas foram ouvidas pelo delegado nesta quarta-feira e nesta quinta será feita uma perícia no local onde ocorreu o confronto. “Estamos analisando os vídeos para tentar identificar os autores dos crimes”, disse o delegado, segundo o qual a maioria das pessoas que realizaram os ataques não estava na ocupação anterior.

Veja as imagens:

Em nota, a empresa declarou que, além dos vigilantes feridos, “outras três pessoas da empresa prestadora de serviços Plantar, também contratada pela Veracel, foram mantidas sob cárcere privado, ameaçadas de morte e forçados a executar trabalhos de interesse do grupo durante a manhã, sendo liberadas à tarde”.

“A Veracel esclarece que os colaboradores da GPS não utilizam armas e nem reagiram às agressões. Os invasores da área não se declaram associados a nenhum movimento social”, declarou a empresa.

Os vigilantes feridos foram encaminhados para o Hospital Regional, em Eunápolis, onde receberam atendimento e posteriormente liberados. O estado de saúde deles é considerado estável. A empresa GPS também dará apoio psicológico aos profissionais.

A Veracel diz que “mesmo tendo a legítima posse da terra e licenciamento ambiental, a Veracel decidiu interromper as atividades na área para garantir a integridade de seus colaboradores próprios e parceiros até que haja uma solução por parte das autoridades”, e que “as operações da empresa continuam normalmente em outros locais”.

“A Veracel está colaborando com as autoridades policiais para esclarecer as circunstâncias do ataque, entendendo que nenhuma alegação justifica a violência”, finaliza a nota da empresa.

O blog não conseguiu contato com integrantes do grupo que realizou os ataques. O site esquerdista “Diário da Causa Operária”, em um comunicado sobre o tema, divulgou que as “famílias que lutam pela terra reagiram à violência da guarda contratada pela multinacional do eucalipto Veracel”.

“Os trabalhadores sem terra reagiram diante da violência e constantes ameaças da empresa Veracel. As famílias já haviam sofrido reintegração de posse desta mesma área no dia 27 de junho e estavam acampados na beira de estrada e continuavam sendo ameaçadas pela guarda da Veracel”, diz um trecho do texto.

Com informações de Canal Rural